Investimento

Jetclass investe 12 milhões na expansão da unidade de mobiliário

A Jetclass tem instalações em Valongo. Fotografia: D.R.
A Jetclass tem instalações em Valongo. Fotografia: D.R.

O projeto prevê a duplicação da faturação e a criação de 50 novos postos de trabalho

A Jetclass, empresa de mobiliário sediada em Valongo, vai investir 12 milhões de euros na expansão da unidade fabril. O projeto irá permitir duplicar a faturação e criar 50 novos postos de trabalho.

A fábrica irá ser ampliada dos atuais sete mil metros quadrados para 12 mil e serão criadas novas unidades produtivas, carpintarias próprias, serralharia e um setor de iluminação, para a produção de candeeiros e instalações elétricas certificadas, avança a empresa em comunicado.

As unidades de folha, melamina, madeira, pintura e estofo vão ser também ampliadas, assim como o espaço de showroom. Segundo a empresa, serão adquiridas máquinas de ponta automatizadas.

Com este projeto, a Jetclass quer aumentar “a rapidez e o rigor da sua produção em série” e prevê duplicar a faturação anual para 12 milhões de euros. Outro dos objetivos é estar apta a responder a “uma maior quantidade de grandes projetos e grupos hoteleiros” e “permitir aos seus clientes o desenvolvimento e produção das suas próprias marcas”.

Segundo o comunicado, a empresa de mobiliário irá investir em parcerias com faculdades, de que é exemplo o INEGI, num estudo sobre a automação e controlo de tecnologias avançadas de fabrico de sistemas mecatrónicos. A Jetclass quer produzir mobiliário através da domótica e robótica.

Dentro desta nova aposta, as primeiras coleções deverão ser lançadas em 2022.

A primeira pedra será lançada na próxima quinta-feira (17 de janeiro) e a cerimónia contará com a presença do secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, e do presidente da Câmara de Valongo, José Ribeiro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Antonoaldo Neves, CEO da TAP Air Portugal. Foto: REUTERS/Regis Duvignau

TAP com prejuízos 118 de milhões em 2018

Roman Escolano, ministro da Economia de Espanha, Mario Draghi, do BCE, e Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Yves Herman

Portugal ainda satisfaz pouco nas reformas estruturais, mas supera nota da UE

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução e vice-governador do Banco de Portugal.

Banca só pagou 20% dos custos do Fundo de Resolução

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Jetclass investe 12 milhões na expansão da unidade de mobiliário