Distribuição

JM confirma investigação na Polónia

Marca Biedronka está presente na Polónia
Marca Biedronka está presente na Polónia

A empresa retalhista Jerónimo Martins confirmou hoje que a sua subsidiária na Polónia foi notificada pelo regulador da concorrência local da abertura de um processo por suspeitas de práticas comerciais ilegais na relação com fornecedores de fruta e vegetais.

“A pedido expresso da CMVM [Comissão do Mercado de Valores Mobiliários] e no seguimento do comunicado publicado pelo UOKiK (Autoridade Polaca da Concorrência e Proteção do Consumidor), a Jerónimo Martins SGPS, S.A. vem, por este meio, confirmar que a sua subsidiária Jerónimo Martins Polska S.A. foi notificada pela referida autoridade relativamente à abertura de um processo com vista a apurar se há abuso de poder negocial com fornecedores de frutas e legumes”, refere a empresa portuguesa num comunicado ao mercado.

A Jerónimo Martins garante que, no âmbito do processo, irá “responder e esclarecer qualquer questão no prazo devido”. “Não obstante, estamos convictos que, nas relações que mantemos com os nossos fornecedores (comummente de longo prazo), cumprimos a lei e seguimos as boas práticas em vigor no mercado”, lê-se no comunicado remetido à CMVM.

De acordo com um documento hoje publicado pelo regulador polaco, citado pela agência financeira Bloomberg, a empresa arrisca uma multa equivalente a 3% do volume de negócios anual. Em causa, segundo o UOKiK, estão suspeitas de abuso de posição dominante da Biedronka na sua relação com os fornecedores relativamente a práticas de descontos pouco claras para o regulador.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: EPA/PATRICK SEEGER

Bruxelas dá luz verde a Banco Português de Fomento

(João Manuel Ribeiro/Global Imagens)

Clientes com mais de 10 mil euros no BCP começam a pagar comissão

Centenas de turistas visitam todos os dias os jardins do Palácio de Cristal, no Porto. Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens

FMI: Portugal com perdas acima de 2% do PIB devido à quebra no turismo

JM confirma investigação na Polónia