Justiça

Johnson & Johnson condenada a pagar 4 mil milhões a mulheres com cancro

Fotografia:    REUTERS/Lucas Jackson
Fotografia: REUTERS/Lucas Jackson

A multinacional norte-americana Johnson & Johnson foi condenada, esta quinta-feira, a indemnizar em mais de 4 mil milhões de euros 22 mulhere.

A multinacional norte-americana Johnson & Johnson foi condenada, esta quinta-feira, a indemnizar em mais de quatro mil milhões de euros 22 mulheres que afirmam ter desenvolvido cancro do ovário depois de utilizarem produtos da marca.

O veredicto foi conhecido depois de cinco semanas de testemunhos e alegações por parte de vários especialistas da defesa e da acusação, num tribunal de St. Louis, no estado do Missouri.

Durante o julgamento, especialistas médicos testemunharam que o amianto, famoso cancerígeno, é misturado com o talco mineral, principal ingrediente do pó talco da Johnson & Johnson (J&J).

De acordo com o principal advogado da acusação Mark Lanier, “a multinacional encobriu provas da existência de amianto nos seus produtos durante mais de 40 anos”.

A acusação garantiu que foram encontradas fibras de amianto e partículas de talco nos tecidos dos ovários de muitas mulheres.

“A Johnson & Johnson continua confiante de que os seus produtos não contêm amianto e não causaram cancro. Vamos prová-lo”, retorquiu a porta-voz da empresa Carol Goodrich.

“Esperamos que este veredicto chame a atenção da direção da J&J e que a leve a informar melhor a comunidade médica e o público sobre a ligação entre o amianto, o talco e o cancro do ovário”, disse Lanier, apelando para a retirada do produto do mercado antes que cause “mais angústia e vítimas desta doença terrível”.

A empresa foi processada por mais de 9.000 mulheres que afirmaram que o pó de talco contribuiu para o desenvolvimento do cancro do ovário.

Seis das 22 queixosas morreram na sequência da doença.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno e Pierre Moscovici. Fotografia: EPA/TIAGO PETINGA

Bruxelas. Orçamento é arriscado e pode acabar em “desvio significativo”

Primeira-ministra britânica, Theresa May, e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia. Fotografia:  REUTERS/Hannah McKay

Theresa May vai a Bruxelas no meio de uma encruzilhada

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: Steven Governo/Lusa

OCDE. Défice português “desaparece” em 2020, mas é preciso mais

Outros conteúdos GMG
Johnson & Johnson condenada a pagar 4 mil milhões a mulheres com cancro