media

Jornal “Eco” em dificuldades pede mais 2 milhões de euros

António Costa e Paulo Padrão lideram o jornal Eco
D.R.
António Costa e Paulo Padrão lideram o jornal Eco D.R.

A Swipe News, dona do jornal digital Eco, procura um aumento de capital na ordem dos dois milhões de euros para um plano de negócios a três anos, sendo que metade deste investimento deverá ser dos atuais acionistas e a outra metade de novos investidores.

No entanto, os atuais investidores já fizeram constar no mercado que não estarão dispostos a injetar mais capital na empresa, tendo em conta que as metas de resultados do negócio que antes teriam sido prometidas não foram alcançadas, uma vez que os resultados dos últimos três anos são negativos. O Jornal Eco é liderado por Paulo Padrão, como diretor geral e pelo jornalista António Costa, como publisher. O director executivo é Pedro de Sousa Carvalho.

O processo está a ser liderado pela Optimal Investments, com José Maria Ricciardi como managing partner. O documento relativo ao aumento de capital, a que o Dinheiro Vivo teve acesso, revela ainda que os novos “investidores, uma vez comprometidos com o montante a investir, poderão fazer injeções de capital faseadas por um período de 12 meses a iniciar em Outubro de 2019” e que “este aumento de capital tem vindo a ser executado com entradas de suprimentos em 2019. Os suprimentos serão convertidos em capital com a entrada dos novos investidores”.

A Swipe News foi fundada em 2016 e tem como acionistas a Mota – Gestão de Participações SGPS, com 23,4%, a PoloPique, com 12%, a International Trade Winds, com 8,2%, a Haitong Capital, com 7,9%, a Parinama, com 7,4% e outros pequenos acionistas com os restantes 40,1% do capital. A apresentação aos investidores decorreu até 15 de outubro, com o período para o aumento de capital a estar em aberto, de forma faseada, até 21 de outubro de 2020.

A análise aos resultados da empresa dona do jornal Eco mostram que os resultados líquidos foram negativos em 2016, 2017 e 2018: de -325.448 euros em 2016, de -800.781 em 2017 e de -691.451 em 2018. O EBIDTA dos três anos também foi negativo: de -309.406 em 2016, de -740.002 em 2017 e -622.565 em 2018.

O plano de negócios indica ainda que “em 2018 as parcerias foram responsáveis por 47.5% das receitas, o branded content 28.7% e a publicidade por 23.7%”, havendo uma previsão de chegar a um breakeven operacional em 2022 e saldo anual de tesouraria positivo apenas para o ano de 2023, ano em que será necessária uma verba de 64 mil euros de saldo de tesouraria, evoluindo para os 191 e para os 255 mil euros até 2025. “Estima-se que seja necessário um investimento de 2 milhões de euros para atingir todos os objetivos estratégicos do ECO aqui enunciados e assim reforçar a sua sustentabilidade e rentabilidade futuras”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Jornal “Eco” em dificuldades pede mais 2 milhões de euros