Tecnologia

Jornal iraniano diz que Teerão proibiu moedas virtuais

Bitcoin | Criptomoedas | Alerta
Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic

Esta medida está a ser encarada pelos observadores como uma forma do Banco Central do país conseguir controlar o mercado de câmbio.

Um jornal iraniano anunciou hoje que o Banco Central do Irão proibiu oficialmente o uso de moedas virtuais em transações financeiras para prevenir crimes como lavagem de dinheiro e terrorismo.

Esta medida está a ser encarada pelos observadores como uma forma do Banco Central do país conseguir controlar o mercado de câmbio, depois de, no início do mês, a moeda iraniana (rial) ter atingido o valor mais baixo de sempre.

Segundo o diário Donya-e Eqtesad, a proibição aplica-se a “todos os centros monetários e financeiros do país”, incluindo bancos, institutos financeiros e agências de câmbio.

Apesar das moedas virtuais, como a ‘bitcoin’, nunca terem sido autorizadas no Irão, estavam disponíveis em mercados paralelos.

As criptomoedas são criadas e trocadas independentemente de bancos ou de governos. As transações são normalmente anónimas, mas a moeda pode ser convertida em dinheiro vivo quando depositada em contas, a preços estabelecidos nas trocas ‘online’.

Uma ‘bitcoin’, a moeda virtual mais conhecida do mundo, acumulou uma valorização de mais de 1.000% no ano de 2017, chegando em meados de dezembro passado a quase 20 mil dólares (16,4 mil euros). Desde então, esta moeda virtual tem registado quedas progressivas.

A volatilidade com a ‘bitcoin’ é seis vezes mais elevada do que a do índice bolsista S&P 500 e 13 vezes superior à do ouro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Jornal iraniano diz que Teerão proibiu moedas virtuais