vinhos

José Maria da Fonseca duplica vendas para a China

José Maria da Fonseca Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global imagens
José Maria da Fonseca Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global imagens

O país está já no top 10 dos principais mercados dos vinhos da empresa de Azeitão

A José Maria da Fonseca duplicou as suas exportações para a China, mercado que vale já 5% das suas vendas e ascendeu, em 2017, ao top 10 dos mercados da empresa de Azeitão. António Maria Soares Franco, vice-presidente na empresa, não esconde a ambição: “O objetivo é que, daqui a dois ou três anos, a China esteja no nosso top 5 de mercados de exportação”.

Em termos globais, a José Maria da Fonseca fechou 2017 com um volume de negócios de 20 milhões de euros, 70% dos quais obtidos nos mercados externos. Um valor que representa um crescimento de quase 4% face ao ano anterior. Suécia, Brasil, Canadá, Estados Unidos e Itália são os principais mercados de destinos, embora os vinhos da José Maria da Fonseca marquem já presença em mais de 70 países do mundo.

O top 10 dos principais destinos da JMF é composto, ainda, pela Holanda, Noruega, Luxemburgo, França e China, país onde, no próximo dia 24 de março, a José Maria da Fonseca irá apresentar alguns dos seus vinhos na Embaixada de Portugal na China, em Pequim, a convite do recém-nomeado embaixador, José Augusto Duarte. O objetivo da iniciativa é potenciar as relações económicas entre os dois países, sendo que as exportações de vinhos nacionais para a China cresceram, o ano passado, 24,1% para 21,8 milhões de euros.

“Esta é uma iniciativa importante que permite divulgar os vinhos portugueses junto de um mercado apetecível, de forma a conquistar notoriedade e proporcionar conhecimento junto dos consumidores chineses”, destaca António Soares Franco. O jantar contará com a presença de “vários decisores do setor vínico chinês, influenciadores e políticos”, que terão oportunidade de apreciar a gastronomia portuguesa acompanhada dos vinhos da José Maria da Fonseca. O evento termina com uma atuação da fadista Cuca Roseta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

José Maria da Fonseca duplica vendas para a China