Alimentação

Lagar une-se ao Politécnico de Bragança para criar azeite gourmet

Politécnico de Bragança

Produto 'gourmet' faturou 1,5 milhões de euros em 2017 e que quer crescer para a Arábia Saudita, Canadá e EUA.

Um lagar de azeite em Trás-os-Montes fez uma parceria com investigadores do Politécnico de Bragança, que resultou num produto ‘gourmet’ que faturou 1,5 milhões de euros em 2017 e que quer crescer para a Arábia Saudita, Canadá e EUA.

“É um azeite de características transmontanas, um azeite de olival tradicional, um azeite verde, com muito sabor a frutos secos – noz e amêndoa – quimicamente e sensorialmente irrepreensível, sem defeito nenhum”, descreveu António Soares, um dos mentores da marca de azeite Terras Dazibo, produzido no lagar Olimontes.

Os bagos de azeitona nascem em olival tradicional em Macedo de Cavaleiros, em Bragança, e o azeite começa a ser produzido no Olimontes, um lagar desenhado de acordo com as exigências de modernas tecnologias de extração.

Países como Espanha, França, Luxemburgo, Bélgica, Suíça ou Inglaterra já estão a importar aquele azeite produzido no lagar de Trás-os-Montes, mas António Soares revela que o futuro do negócio passa por vender para a Arábia Saudita, Qatar, Barém, EUA e Canadá.

“Estamos a ultimar e a negociar contratos, com algum músculo, (…) com cadeias internacionais de negócio na área da distribuição da ‘delicatessen’ [produtos ‘gourmet’], com algumas das maiores referências internacionais, com parte dos países árabes, os EUA e o Canadá”, contou António Soares, referindo que o objetivo da marca é levar os azeites da marca, desde o biológico ao virgem e ao extra virgem, “pelo mundo fora”.

A marca Terras Dazibo, nome que nasceu a partir do nome da Albufeira do Azibo, foi lançada no mercado em novembro de 2015, em Macedo de Cavaleiros, com três sócios e em parceria entre o lagar Olimontes e o Instituto Politécnico de Bragança.

“Fizemos uma parceria com o Instituto Politécnico de Bragança, com o azeitólogo investigador Nuno Rodrigues e com o professor José Alberto Pereira, que já eram conhecedores no panorama oleico nacional”, explicou António Soares.

O volume de negócios do lagar Olimontes, aliado à marca de azeite transmontano, ultrapassou em 2017 os 1,5 milhões de euros, avançou António Soares, referindo que se trata de um valor “muito grande”, mas que congrega não só o azeite ‘premium’ engarrafado, mas também o azeite a granel e o de garrafão.

Na campanha de azeite de 2017, considerado um ano excecional na produção, o Olimontes processou 3.750 toneladas de azeitona, produzindo cerca de 600 mil litros de azeite.

“Já fizemos mais de 500 toneladas de azeite na campanha de 2017”, contou o responsável, indicando, porém, que este valor pode aumentar.

Em maio de 2017, quatro garrafas de azeite Ânfora, produzido no Olimontes, conquistaram em Nova Iorque a medalha de ouro na Competição Internacional de Azeite daquela cidade, na categoria Medium Brands, recorda António Soares.

Os azeites produzidos no lagar transmontano também receberam medalhas de prata no concurso “London International Olive Oil Competition 2017”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

7º aniversário do Dinheiro Vivo: Conferência - Sucesso Made in Portugal. 
Pedro Siza Vieira, Ministro da Economia
(Diana Quintela/ Global Imagens)

Made from Portugal: desafio para os próximos 7 anos

Lisboa, 11/12/2018 - 7º aniversário do Dinheiro Vivo : Conferência - Sucesso Made in Portugal, esta manhã a decorrer no Centro Cultural de Belém.
Rosália Amorim, Directora do Dinheiro Vivo; Antonoaldo Neves, CEO da TAP; João Carreira, Co-fundador e Chairman da Critical Software; Paulo Pereira da Silva, CEO da Renova; João Miranda, CEO da Frulact; Rafic Daud, Co-fundador e CEO da Undandy; Helder Dias, VP of Engeneering da Farfetch 
(Diana Quintela/ Global Imagens)

Um unicórnio na China, papel higiénico sexy e patê de algas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Lagar une-se ao Politécnico de Bragança para criar azeite gourmet