retalho

Lego Fun Factory abre três novos parques em 2020

A Lego Fun Factory do Mar Shopping, em  Matosinhos, é a maior da Península Ibérica. Foto: João Manuel Ribeiro/Global Imagens
A Lego Fun Factory do Mar Shopping, em Matosinhos, é a maior da Península Ibérica. Foto: João Manuel Ribeiro/Global Imagens

Os parques da Lego são um espaço-âncora dos shoppings. O tráfego aumenta 30% quando há uma Lego Fun Factory.

A Lego Fun Factory, espaço gratuito para crianças, está a preparar a abertura de três novos parques na Península Ibérica até 2020 e já assumiu o objetivo de nos próximos cinco anos quadruplicar esse número.

O êxito do conceito em Portugal e em Espanha, os únicos mercados que disponibilizam esta solução de diversão e criatividade da marca dinamarquesa, determinou a continuidade da aposta, afirma Isabel Perez, responsável da Lego Ibéria. As futuras localizações ainda são segredo, devido às negociações em curso. Neste momento, existem três Lego Fun Factory em Portugal e 11 em Espanha.

No país, a “fábrica” do Mar Shopping, em Matosinhos, tem apresentado uma recetividade ímpar. Segundo Isabel Perez, são esperados neste ano 93 mil visitantes, um número que, a confirmar-se, significa um crescimento de 4% face a 2018.

Esta performance é justificada pela “programação diversa e sempre atual” que o espaço de 600 metros quadrados oferece às crianças. Como refere, as Lego Fun Factory foram inspiradas nos mais novos e visam ser uma experiência muito positiva para a criança, que goste mais de música, do mundo digital, do faz-de-conta ou da construção criativa.

A Lego Fun Factory, que está também presente no shopping Ubbo, na Amadora, e no Mar Shopping do Algarve (em Loulé), tem o seu plano de crescimento focado em localizações inseridas em centros comerciais, tornando-se assim uma âncora destes empreendimentos. Com entrada gratuita, estes parques com piscinas de peças Lego, zonas de leitura, construções e videojogos, garantem um incremento do tráfego no shopping que, “em alguns casos, pode ir aos 30% e um aumento da venda média”, sublinha a responsável.

A justificação é simples: “Sabendo que os filhos estão a brincar, num espaço seguro e divertido, os pais estão mais disponíveis para ver e experimentar” as múltiplas solicitações que um shopping oferece. Isabel Perez reforça ainda que “a prova do sucesso do conceito é que a Lego Fun Factory em Matosinhos correu tão bem que o Mar Shopping [detido pelo grupo IKEA] fechou contrato connosco para a representação no Algarve”.

Reconstruir o mundo
A primeira Lego Fun Factory surgiu em Madrid, Espanha, no shopping H20, ocupando 175 metros quadrados. O conceito “foi tão revolucionário e teve uma adesão tão grande” que a Lego optou por criar parques com um mínimo de 500 metros quadrados.

As Lego estão de portas abertas a crianças entre 1 e os 12 anos (as idades dependem de cada espaço) e durante, pelo menos, uma hora podem brincar, construir e idealizar tudo o que uma peça de Lego permite, sempre acompanhadas por monitores.

Em curso, está a campanha Rebuild the World para inspirar as crianças a criar um amanhã melhor. A base da ação é a criatividade, uma ferramenta que a Lego considera essencial para o trabalhador do futuro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Lego Fun Factory abre três novos parques em 2020