Lehman: Falência há 10 anos é o símbolo da maior crise desde 'crash' de 1930

A falência do Lehman Brothers, o quarto maior banco de investimento dos EUA, foi há 10 anos e simboliza a maior crise financeira desde 1930.

A falência do Lehman Brothers, o quarto maior banco de investimento dos Estados Unidos, foi há dez anos e simboliza a maior crise financeira desde o crash de 1930.

Na primeira hora do dia 15 de setembro de 2008, um tribunal federal norte-americano recebeu a formalização da falência do gigante da indústria financeira, uma decisão que mudaria a história económico-financeira mundial.

Entre a sexta-feira e o domingo anteriores, no edifício da Reserva Federal (Fed) de Nova Iorque, líderes financeiros e políticos tentaram evitar uma catástrofe, depois de o banco ter apresentado prejuízos na ordem dos 3,9 mil milhões de dólares no terceiro trimestre fiscal dos Estados Unidos, em 10 de setembro, e de se ter percebido a 'bolha' dos seus ativos avaliados em 600 mil milhões de dólares.

A solução tentada foi vender o Lehman Brothers a outro banco, mas acabaria por falhar, após o Barclays se ter retirado do negócio, e às 01:00 do dia 15 de setembro os advogados do banco entoaram o pedido de falência num tribunal federal.

Para o imaginário ficam as imagens de milhares de pessoas a saírem das instalações do banco com os seus objetos pessoais em caixas de cartão, cabisbaixas, transmitidas em direto por televisões do mundo inteiro.

A empresa nascida em 1850, que sobreviveu a duas guerras mundiais, à guerra civil dos Estados Unidos, à Grande Depressão, entre outras crises, não resistiu e marcou uma nova era. Há um pré e um pós-Lehman Brothers.

A queda do Lehman Brothers é sobretudo um símbolo, porque tudo começou muito antes, e já se tornava patente desde o verão de 2007.

Desregulação financeira, derivados financeiros sobrevalorizados (apoiados pelas agências de 'rating'), créditos hipotecários de alto risco ('subprime') foram os ingredientes de uma crise que, segundo muitos economistas, tem as origens na crise de 2001 com o rebentar da bolha da Internet, que levou a Fed (o banco central dos Estados Unidos) a adotar juros baixos e a incentivar investimentos no setor imobiliário.

No início de 2008, já bancos tinham sido intervencionados em resultado da crise que se evidenciava. Em fevereiro foi nacionalizado o britânico Northern Rock pelo Governo do Reino Unido e em março foi resgatado pelas autoridades dos Estados Unidos o banco de investimento Bear Stearns, que acabou engolido pela JP Morgan.

Contudo, à medida que os meses avançavam alguns acreditavam que a crise estava a amainar, mas setembro haveria de mostrar que o pior estava para vir.

As agências de financiamento imobiliário dos Estados Unidos Fannie Mae e Freddie Mac foram resgatadas pelo Governo americano no início de setembro, em 15 de setembro é pedida a falência do Lehman Brothers e no dia 16 a seguradora AIG recebe um regate milionário da Fed no valor de 85 mil milhões de dólares.

Ainda no mesmo dia em que o Lehman Brothers caiu é conhecido que o Bank of America (que também esteve em negociações para comprar o Lehman) comprou a corretora Merryll Lynch e pouco depois que os bancos de investimento Goldman Sachs e Morgan Stanley se convertem numa 'holding'. Em outubro é a vez de bancos norte-americanos Wells Fargo e Wachovia se fundirem, concentrações feitas com o objetivo de sobreviver à turbulência.

Era já certo que o mundo estava perante uma grave crise financeira, apesar de os Estados Unidos terem aprovado rapidamente um resgate aos ativos 'tóxicos' da sua banca de 700 mil milhões de dólares e depois um plano de estímulo de 790 mil milhões de dólares.

Mas a avalanche estava imparável e atingiu sobretudo a Europa, evidenciando a debilidade bancária do Velho Continente e os desequilíbrios das finanças públicas, com os Estados, famílias e empresas muito endividados.

Aquilo que era uma crise financeira transformou-se numa crise económica e, a partir de 2010, a crise das dívida soberanas levou mesmo a resgates à Grécia, Portugal, Irlanda e Chipre, enquanto Espanha recebeu apoios para o setor financeiro, num total de quase 500 mil milhões de euros.

Em contrapartida, foram aplicadas políticas de austeridade, reformas do mercado laboral e reduzidos gastos com educação, saúde, pensões, criando descontentamento na população.

Em Portugal, após a queda do Lehman Brothers, seriam precisos alguns anos para a crise bancária vir ao de cima.

Em 2008, os analistas eram da opinião de que as ondas de choque ao sistema financeiro mundial poupariam os bancos portugueses, perante a menor exposição a derivados 'tóxicos' e o apoio das autoridades europeias ao setor financeiro, com injeções de dinheiro do Banco Central Europeu (BCE) no mercado monetário e emissão de garantias de Estado pelos Governos para que os bancos conseguissem liquidez.

Ainda em 2008 pareciam apenas episódicos os casos da nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), a primeira desde o período revolucionário, e da intervenção do Banco de Portugal no Banco Privado Português (BPP).

Aliás, os cinco maiores bancos que em 2008 operavam em Portugal - Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, BES, Santander Totta e BPI - obtiveram lucros de 1,73 mil milhões de euros nesse ano.

Contudo, os anos mostrariam problemas. E graves.

Em junho de 2012, já com a intervenção da 'troika', os bancos são obrigados a recapitalizarem-se e têm de recorrer à ajuda do Estado. O BCP pediu emprestados 3.000 milhões de euros ao Tesouro e o BPI 1.500 milhões de euros. Já a CGD recebeu 1.650 milhões de euros, 750 milhões de euros em ações e 900 milhões de euros de emprestados.

Meio ano depois, em início de 2013, o Estado pôs mais 1.100 milhões de euros no Banif (700 milhões em ações e 400 milhões em dívida) e tornou-se seu acionista maioritário.

Já Banco Espírito Santo (BES), por seu lado, reforçou capital junto de privados, evitando o recurso ao apoio estatal.

Contudo, o estrondo chegou em 03 de agosto de 2014. Nesse domingo à noite, quatro dias depois de o BES ter apresentado um prejuízo semestral histórico de 3,6 mil milhões de euros, o governador do Banco de Portugal fala ao país para anunciar o fim da instituição centenária.

Em dezembro de 2015, seria o Banif a ser resgatado, sendo vendida parte da sua atividade ao Santander Totta.

Nos últimos anos, a banca portuguesa tem vivido em transformação, e não está concluída.

A CGD está em profundo processo de reestruturação, o BCP continua a sua reorganização, agora com o grupo chinês Fosun como maior acionista, o Novo Banco -- o banco nascido na resolução do BES -- pertence ao fundo norte-americano Lone Star e também tem uma reestruturação em curso e o BPI passou a ser controlado quase na totalidade pelo pelo grupo espanhol CaixaBank.

O Santander Totta, que beneficia do apoio da casa-mãe, o espanhol Santander, aproveitou para consolidar a sua posição no mercado (sobretudo após ter ficado com parte do Banif e com o Banco Popular Portugal) e aumentar lucros.

Também o setor segurador português sofreu mudanças significativas nos últimos anos e é hoje dominado por empresas estrangeiras.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de