Lisbon Investment Summit

Lisboa atrai investidores e startups de toda a Europa

Timothy O'Connell

Nos dias 6 e 7 de junho, a Beta-i, em parceria com a Câmara de Lisboa, junta investidores, executivos e startups no Beato.

Os promotores chamam-lhe “conferência surpreendentemente informal e algo inesperada”, que vem juntar mais de 200 investidores, 750 startups e 400 quadros de empresas. O Lisbon Investment Summit já confirmou a presença de, por exemplo, Zach Coelius, business angel, Timothy O’Connell, head of innovation na H-Farm, Marvin Liao, partner da 500 Startups, Liz Fleming, principal da Adara Ventures, Arbia Smiti, CEO da Carnet de Mode, e de Ashley Carroll, partner da Social Capital.

Zach Coelius é conhecido por ter fundado duas empresas de grande sucesso: a Triggit, que redireciona os consumidores para anúncios publicitários na internet; e a Cruise Automation, empresa de automóveis sem condutor que vendeu à General Motors por mil milhões de dólares.

Timothy O’Connell tem vários investimentos de sucesso, como a H-art, uma empresa de marketing interativo que foi vendida à agência digital líder mundial Akqa Group; a Depop, uma aplicação de vendas online; a TravelAppeal, uma ferramenta business to business que lê os comentários dos turistas e informa os hotéis; e a Zooppa , uma plataforma de crowdsourcing de criação de conteúdos para redes sociais.

A abertura do primeiro dia será feita por Pedro Rocha Vieira, CEO da Beta-i, e Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa. O Fireside Chat do dia 6 contará com a presença de Duarte Cordeiro, vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e de Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal. Será moderado por Diogo Teixeira, head of growth da Beta-i. O dia terminará com uma entrevista a Ana Teresa Lehmann, secretária de Estado da Indústria.

No segundo dia, Duarte Cordeiro fará a apresentação do novo Hub Criativo do Beato e espera-se que o primeiro-ministro António Costa confirme a sua presença e feche a cimeira.

Eventos sociais noturnos
Os dois mil participantes esperados terão acesso a palestras, painéis de debate e a oportunidade de enriquecer a sua rede de contactos no Speakers Dinner, no Investors Breakfast e no cocktail ao pôr do Sol num iate. Os dois eventos oficiais noturnos já têm hora e locais marcados: o Speakers Dinner, no dia 5 de junho, será às 20h00 no restaurante Zé da Mouraria e deve juntar 80 pessoas. Já o Exclusive Boat Party, uma festa sobre o rio Tejo, que espera a presença de 200 pessoas, será no dia 6 de junho, das 19h00 às 23h00.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Lisboa atrai investidores e startups de toda a Europa