Imobiliário

Lisboa. Fora do centro as casas são vendidas por metade do preço

Fotografia: Júlio Lobo Pimentel / Global Imagens
Fotografia: Júlio Lobo Pimentel / Global Imagens

Que o preço das casas está em alta nas grandes cidades, especialmente em Lisboa, já não é novidade. Mas há zonas onde os valores são mais baixos

Encontrar um imóvel a preços baixos é tarefa difícil por estes dias, em Lisboa. Mas, de acordo com a Confidencial Imobiliário, se os preços estão elevados, ainda há zonas dentro da cidade onde os valores cobrados chegam a ser menos de metade dos pedidos para as zonas mais centrais.

É o caso da zona ocidental de Lisboa, onde os valores pedidos estão entre 50% e 60% abaixo dos registados nos principais bairros históricos.

Olhemos para São Domingos de Benfica. Na freguesia mais cara da zona ocidental as casas foram vendidas, em média, por 2130 euros o metro quadrado. Este valor é 49% abaixo dos 4200 euros o metro quadrado que se registam no Príncipe Real.

Descendo para a Avenida da Liberdade ou Chiado, os valores escalam para 4916 euros e 4635 euros o metro quadrado. Mais 54% e 58%, respetivamente do que na zona ocidental da cidade.

Se a comparação de São Domingos de Benfica for feita com o bairro de São Paulo, a diferença chega a ser de 62% – o metro quadrado está a valer 5653 euros.

A área mais oriental de Lisboa também tem observado valores mais baixos do que os praticados no centro. Mesmo assim, bem acima da área radicalmente oposta: no Parque das Nações pagam-se 3000 euros o metro quadrado, apenas menos 28% do que no Príncipe Real, mas ainda assim mais 46% do que no bairro de São Paulo.

Face ao Chiado ou Avenida da Liberdade a divergência é de 41% e 35%, respetivamente, mostra o SIR – Sistema de Informação Residencial do Confidencial Imobiliário.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Futebol

O 11 mais valioso da liga não chegava para pagar as obrigações das SAD

Entrevista TSF / Dinheiro Vivo a Henrique Santos.
(Adelino Meireles/ Global Imagens)

Henrique Santos: “Empresas que violam dados não deviam ter aberto portas”

Fonte: Comissão Europeia

“É difícil prever quanto dinheiro irá para os hospitais”

Outros conteúdos GMG
Lisboa. Fora do centro as casas são vendidas por metade do preço