Bebidas

Lixo plástico marinho. Do mar português para uma garrafa da Coca-Cola

A carregar player...

Coca-Cola trouxe à WS alguns exemplares das suas garrafas produzidas com 25% de lixo plástico marinho. Toneladas de lixo retiradas do mar português.

Toneladas de plástico a flutuar no mar estão a tornar-se uma imagem habitual. Há literalmente mares de lixo que invadem os países, e poluem a vida marinha.

Os números são avassaladores. Estima-se que entre 1.15 e 2.41 milhões de toneladas de plástico entrem nos oceanos vindos dos rios, segundo os números do The Ocean Clean Up.

A dimensão do problema levou a muitas empresas a avançarem com compromissos para a redução do plástico das suas embalagens e objetivos de introdução de material reciclado nas novas embalagens. Juntamente com a PepsiCo, a Nestlé ou a Mars, a Coca-Cola foi uma das companhias a avançar com esse tipo de compromissos.

Reduzir a gramagem do plástico das garrafas resultou na redução do plástico que entra na cadeia ambiental, mas a empresa quer até 2025 reciclar 100% das embalagens, torná-las totalmente recicláveis, garantindo que são produzidas, pelo menos, com metade de plástico reciclado.

Leia ainda: Coca-Cola. Uma garrafa com plástico do mar de Portugal e Espanha

É neste âmbito que surgem as garrafas feitas com lixo de plástico marinho. Têm cerca de 25% de plástico recolhido de praias e do mar de Portugal de Espanha. Toneladas de lixo marinho, plástico degradado, que através de um sistema de reciclagem químico pode ser reutilizado. Há apenas 300 garrafas produzidas em todo o mundo. Mas em 2020 a companhia quer introduzir este tipo e embalagem na produção.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%

Lisboa, 18/02/2020 - Plenário da Assembleia da República - Debate quinzenal com o primeiro ministro.
Primeiro Ministro António Costa com os restantes ministros que compõem o governo.
Jerónimo de Sousa - PCP
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Jerónimo avisa Costa que “sem aumentos salariais” os “problemas vão aumentar”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP escapa a multas por atraso no contrato de serviço público

Lixo plástico marinho. Do mar português para uma garrafa da Coca-Cola