Resultados

Fosun cresce 33,6% no primeiro semestre

Fotografia: REUTERS/Bobby Yip
Fotografia: REUTERS/Bobby Yip

Fosun melhorou resultados no arranque deste ano para o valor recorde de 743 milhões de euros

O lucro da Fosun, grupo chinês que detém várias empresas em Portugal, registou no primeiro semestre um aumento homólogo de 33,6%, para o valor recorde de 5.860 milhões de yuan (743 milhões de euros).

No relatório de contas referente ao período entre janeiro e junho, enviado à agência Lusa, a empresa com sede em Xangai refere ainda que abateu 14,9% da sua dívida, referindo que o rácio de endividamento caiu de 86%, em 2013, para 47,4%, até junho passado.

A Fosun é o maior acionista do banco Millennium BCP e detém a seguradora Fidelidade, o grupo Luz Saúde e uma participação de 5,3% na REN – Redes Energéticas Nacionais.

Em comunicado, o grupo refere que, nos últimos cinco anos, os lucros da empresa cresceram, em média, 25% ao ano.

Fundado em Xangai, no início da década de 1990, a Fosun é considerada um dos consórcios privados chineses mais ativos além-fronteiras.

Em junho passado a Comissão Reguladora do Setor Bancário Chinês (CBRC) pediu aos bancos do país informações sobre os empréstimos concedidos a empresas que fizeram importantes investimentos além-fronteiras, incluindo a Fosun.

A rápida expansão destes grupos além-fronteiras, e consequente aumento do endividamento, causou apreensão em Pequim, num ano em que se realiza o congresso do Partido Comunista, o mais importante evento da agenda política chinesa, onde a liderança é escolhida a cada cinco anos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A administradora delegada da Media Capital, Rosa Cullell (E), acomapnhada pelo CEO da Altice Media, Alain Weill (2-E), do CEO do Grupo Altice, Michel Combes (2-D), e do Chairman e CEO da Portugal Telecom, Paulo Neves (D), fala durante uma conferência de imprensa sobre a compra da Altice sobre o grupo Media Capital,. Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Compra da TVI pelo Meo pode “criar entraves significativos à concorrência”

Foto: ANDRÉ KOSTERS / LUSA

Financial Times destaca “sucesso socialista” na recuperação de Portugal

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

Casalinho quer alongar pagamento da dívida para evitar picos de reembolsos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Fosun cresce 33,6% no primeiro semestre