Energia

Lucro da Galp sobe 23% à custa do negócio no Brasil

(Foto pedro correia)
(Foto pedro correia)

Ganhos da petrolífera ascenderam aos 707 milhões de euros em 2018 com aumento da produção de petróleo e de gás natural.

O lucro da Galp aumentou 23% para os 707 milhões de euros em 2018 face ao ano anterior, impulsionado pela entrada em operação de novas plataformas de exploração de petróleo e gás natural no Brasil, anunciou esta segunda-feira a petrolífera.

Em comunicado ao mercado, a Galp Energia informou que o resultado líquido anual ajustado totalizou 707 milhões de euros, 23% acima do registado em 2017, tendo aumentado 24%, para 741 milhões de euros, de acordo com as normas contabilísticas internacionais (IFRS).

No quarto trimestre de 2018, o lucro diminuiu 42% em termos homólogos, para os 109 milhões de euros (44 milhões de euros em IFRS).

Já o resultado ajustado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) em 2018 aumentou 24% em termos homólogos para 2,2 mil milhões de euros, dos quais quase dois terços foram provenientes das atividades de exploração e produção, negócio que no ano anterior tinha representado menos de metade do EBITDA total do grupo, refere a petrolífera em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O ‘cash flow’ das atividades operacionais foi de 1,6 mil milhões de euros em 2018, com o aumento da contribuição do negócio de ‘upstream’ a mais do que compensar a redução das margens de refinação internacionais e o investimento em fundo de maneiro de 230 milhões de euros.

“A entrada em operação de novas plataformas associadas aos grandes projetos de exploração e produção de petróleo e gás natural no Brasil impulsionaram os resultados da Galp”, adianta a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva, com as atividades internacionais a assegurarem mais de 80% dos resultados operacionais.

O aumento da produção em 2018 – em 15% da produção total, que atingiu um valor médio anual de 107,3 mil barris diários de petróleo e gás – é justificado com a entrada em operação e consequente aumento de produção das unidades flutuantes do tipo FPSO instaladas nos campos de águas ultraprofundas do pré-sal da bacia de Santos, no Brasil, onde a Galp participa, e que contam atualmente com nove unidades instaladas.

Também a entrada de uma nova unidade do mesmo tipo no Bloco 32, no Kaombo Norte, Angola, o que fez com que o contributo de Angola para a produção total da Galp voltasse a ser positivo, mais do que compensando o declínio do bloco 14.

Em 2018, o investimento atingiu 899 milhões de euros, montante que inclui o pagamento de 103 milhões de euros relacionado com as aquisições de novos ativos no Brasil em 2018. As atividades de exploração e produção representaram cerca de 70% deste investimento, do qual 65% foi alocado a atividades de desenvolvimento e produção, principalmente no Brasil e no bloco 32 em Angola.

Já o investimento nas atividades de ‘downstream’ atingiu 267 milhões de euros.

A dívida líquida da Galp situou-se em 1,7 mil milhões de euros no final de 2018, menos 162 milhões de euros do que no final de setembro, com o rácio de dívida líquida sobre EBITDA em 0,8x.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20.Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Lucro da Galp sobe 23% à custa do negócio no Brasil