Resultados 1º trimestre

Lucro da Semapa quase duplica no 1º trimestre

O lucro do grupo Semapa quase duplicou no primeiro trimestre, aumentando 90,3% face ao mesmo período do ano passado, para 27,2 milhões de euros, segundo o comunicado hoje à CMVM.

“O resultado antes de impostos cresceu 62,2% e o resultado líquido atribuível a acionistas da Semapa atingiu os 27,2 milhões de euros, crescendo 90,3% face a igual período do ano anterior”, lê-se no documento da sociedade de investimento e gestão publicado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A evolução é explicada pelo aumento do EBITDA (ganhos antes de juros, impostos, amortizações, desvalorizações de ativos e provisões) em 18,4 milhões de euros, “sendo a Navigator a responsável por este crescimento”, explica a Semapa.

O EBITDA aumentou 16,6% no primeiro trimestre face ao período homólogo, atingindo 129,6 milhões de euros. A margem consolidada situou-se nos 25,5%, o que representa 4,2 pontos percentuais acima da registada no primeiro trimestre de 2017.

Também a redução de amortizações, perdas por imparidade e provisões no valor de 6,3 milhões de euros, a redução dos resultados financeiros líquidos em cerca de um milhão de euros e o aumento dos impostos sobre o rendimento em 5,6 milhões de euros explicam os resultados.

O volume de negócios do grupo Semapa foi de 508,7 milhões de euros nos primeiros três meses do ano, um decréscimo de 2,5% face ao período homólogo. As exportações e vendas no exterior ascenderam a 387,5 milhões de euros, o que representa 76,2% do volume de negócios.

De acordo com o documento, no final de março, a dívida líquida da Semapa ascendia a 1.557,5 milhões de euros, menos 116,1 milhões face ao valor apurado no final de 2017, “explicado positivamente pela geração de ‘cash flow’ operacional”.

Por segmentos, a Semapa indica que no primeiro trimestre, o volume de negócios da Navigator (pasta e papel) foi de 384,9 milhões de euros, apresentando um decréscimo de 2% face ao período homólogo, “essencialmente em resultado de um conjunto de paragens para manutenção nas fábricas”.

Já o volume de negócios da Secil (cimento) acumulado até março foi de 118,3 milhões de euros, 2,5% abaixo do verificado no período homólogo devido ao “impacto negativo da desvalorização cambial face ao euro”, enquanto o volume de negócios da ETSA (ambiente) cifrou-se em 5,5 milhões de euros, menos 26,2% relativamente a igual período de 2017.

Quanto a perspetivas futuras, a Semapa refere que “não se vislumbram fatores que possam indiciar uma alteração significativa nas condições do mercado da pasta e papel”.

Por outro lado, as expectativas para 2018 “são moderadamente positivas” para o cimento, uma vez que a generalidade das previsões para a evolução da construção “são favoráveis”, embora o aumento dos níveis de investimento estejam condicionados pela gestão do défice o que poderá condicionar o crescimento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Casas em leilão

Selo sobre venda de casas deu num ano mais 50 milhões de euros ao Estado

Former U.N. chief Kofi Annan addresses an advisory commission in Sittwe, Myanmar, September 6, 2016. REUTERS/Wa Lone

Kofi Annan: O diplomata premiado pela defesa da paz

Carlos Saturnino, Sonangol.

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Sonangol vai manter posições na Galp e no BCP

Outros conteúdos GMG
Lucro da Semapa quase duplica no 1º trimestre