Resultados 1º trimestre

Lucro da Sonaecom sobe 11,3% para 5 milhões no 1.º trimestre

Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae. (Leonel de Castro / Global Imagens)

O volume de negócios atingiu os 36,6 milhões de euros, 1,3% acima do registado um ano antes e 6,2% mais face ao último trimestre de 2017.

O lucro da Sonaecom subiu 11,3% no primeiro trimestre, face a igual período de 2017, para cinco milhões de euros, anunciou esta quarta-feira a empresa.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonaecom adianta que o volume de negócios atingiu os 36,6 milhões de euros, 1,3% acima do registado um ano antes e 6,2% mais face ao último trimestre de 2017, “com contributos positivos das áreas de tecnologia e media”.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) progrediu 17,6% para oito milhões de euros, “justificado essencialmente pela linha do Método de Equivalência Patrimonial (MEP), sendo esta influenciada pelo contributo da ZOPT que, por sua vez, depende do resultado líquido da NOS”.

Os custos operacionais subiram 0,2% para 37 milhões de euros.

O investimento operacional (CAPEX) diminuiu para 1,6 milhões de euros, representando 4,4% do volume de negócios.

A área da tecnologia registou um volume de negócios de 33,3 milhões de euros, um aumento de 1%.

Nos media, ou seja, o jornal Público, a Sonaecom destaca “o desempenho positivo das receitas de publicidade ‘online'” que “conjuntamente com um crescimento das receitas de subscrição ‘online’ e uma nova metodologia de registo de custos de distribuição traduziram-se num crescimento de 3,4% no total das receitas” face ao primeiro trimestre de 2017.

O EBITDA, “apesar de negativo, registou um crescimento de 12,2%”, refere.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Lucro da Sonaecom sobe 11,3% para 5 milhões no 1.º trimestre