Resultados

Lucro da Total sobe 33% em 2018

Multinacional francesa Total. D.R.
Multinacional francesa Total. D.R.

No ano passado, a produção média da petrolífera atingiu os 2,775 milhões de barris por dia, o que representou um acréscimo de 8% face ao ano anterior.

A petrolífera francesa Total registou um lucro de 11.446 milhões de dólares (10.089 milhões de euros), mais 33% do que em 2017, graças sobretudo à subida do preço do barril de petróleo e ao aumento da produção para níveis recorde.

Já o resultado líquido ajustado, que exclui sobretudo elementos não recorrentes, cresceu 28% em 2018, para 13.559 milhões de dólares, face ao ano anterior, sendo que a rentabilidade dos capitais foi de 12,2%, que compara com 10,1% do exercício anterior, refere a Total em comunicado.

No ano passado, a produção média da petrolífera atingiu os 2,775 milhões de barris por dia, o que representou um acréscimo de 8% face ao ano anterior.

Outro vetor de melhoria da rentabilidade da Total foi o aumento do preço do crude, que passou de uma média de 54 dólares por barril em 2017 para 71 dólares em 2018.

O resultado operacional líquido foi de 15.997 milhões de dólares em 2018, mais 34%, face ao exercício anterior, dos quais 10.210 milhões de dólares se deveram ao negócio de exploração e produção, com um acréscimo de 71%, em relação ao ano precedente.

Já a refinação e a atividade petroquímica sofreram uma contração de 11%, para 3.379 milhões de dólares, enquanto a mecatrónica e os serviços mantiveram-se quase estáveis nos 1.652 milhões de dólares (menos 1%).

Por último, o gás, as energias renováveis e a eletricidade aportaram 756 milhões de dólares, isto é, mais 56%.

O presidente da Total, Patrick Pouyanné, considerou “excelentes os resultados de 2018” e anunciou que devido à “situação financeira sólida” a administração prevê incrementar em 3,1% o pagamento trimestral de dividendos e prosseguir com a política de compra de ações próprias no valor de 1.500 milhões de dólares, tendo como cenário um barril de petróleo a 60 dólares.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa e Mário Centeno na convenção do PS. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Centeno. Portugal é dos melhores a progredir em dívida, desemprego e crescimento

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Dívida pública desce mais devagar do que o previsto

desemprego Marcos Borga Lusa

Taxa de desemprego nos 5,9% em 2020. A mais baixa em 17 anos

Outros conteúdos GMG
Lucro da Total sobe 33% em 2018