aviação

Lucros da ANA aumentaram para 248 milhões em 2017

Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. (Fotografia: Inácio Rosa/ Lusa)
Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. (Fotografia: Inácio Rosa/ Lusa)

A administração quer distribuir parte do resultado líquido, cerca de 980,6 mil euros, pelos colaboradores, mais 19% do que foi distribuído em 2016

O ano passado, a gestora dos aeroportos nacionais, a ANA – Aeroportos de Portugal, quase duplicou os lucros com um aumento de 47,8%, o que representa mais de 248,4 milhões de euros. Em 2013, os lucros fixaram-se nos 18,6 milhões de euros, o que significa que aumentaram 13 vezes nos últimos quatro anos. Segundo o Jornal de Negócios desta sexta-feira, a ANA está a pensar distribuir parte do resultado líquido – 980,6 mil euros – pelos colaboradores, mais 19% do que foi distribuído em 2016.

O crescimento dos lucros, explica a ANA, deve-se ao “desempenho do rédito, traduzido num aumento de 89,1 milhões de euros face ao ano anterior”.

Também o volume de negócios cresceu em 2017 para 15,6%, o que representa um lucro de 760,6 milhões de euros. Os negócios em aviação representaram 15,8% e em não aviação 15,1%. O volume de negócios aumentou devido à “melhoria contínua das economias da Zona Euro, a par com preços de petróleo contidos”, explica a ANA.

O ano passado foi um ano de resultados positivos para a ANA, com o número de passageiros a bater recordes. Foram inauguradas 55 novas rotas aéreas e começaram a operar seis novas companhias.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O antigo secretário de Estado da Energia e da Inovação, Henrique Gomes, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República em Lisboa, 23 de janeiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Henrique Gomes disse que “Mexia é osso duro de roer” e teve de sair da REN

A área alimentar gerou vendas históricas de quatro mil milhões de euros. Fotografia: D.R.

Sonae atinge vendas recorde de 6,3 mil milhões com impulso do Natal

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Universidade Católica prevê menos crescimento em 2018 e 2019

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Lucros da ANA aumentaram para 248 milhões em 2017