Lucros da EDP caem 16% até setembro

Elétrica atribui queda nos lucros a efeitos não recorrentes o ano passado.

A EDP registou uma queda de 16% nos lucros dos primeiros nove meses do ano, para 615 milhões de euros, segundo a informação divulgada na CMVM.

A elétrica diz que o resultado líquido foi impactado pela mais-valia com a aquisição de uma participação de 50% na central de Pecém I, no Brasil, e "parcialmente mitigado pelo melhor desempenho operacional".

"Ajustado de eventos não recorrentes, o resultado líquido foi de 661 milhões de euros", uma subida de 17%, garante a EDP.

A margem bruta da elétrica cresceu 5% para 4,2 mil milhões de euros, enquanto o EBITDA registou uma queda de 3% para perto de 2,9 mil milhões de euros, uma queda justificada com o menor contributo dos efeitos não recorrentes, que totalizaram 424 milhões de euros. Excluindo estes efeitos o EBITDA subiu 10%, diz a empresa. A elétrica foi também penalizada pelo efeito cambial.

A EDP, em 2015, comprou com desconto 50% de Pecém, no Brasil, com um ganho de 295 milhões de euros, procedeu à venda de ativos de gás em Espanha, com mais valia de 89 milhões de euros e teve ainda o impacto líquido de efeitos não recorrentes na EDP Renováveis, de 40 milhões de euros, e ainda 61 milhões de euros com a venda das centrais mini-hídricas no Pantanal.

Os custos operacionais subiram 3% para 1,1 mil milhões de euros devido ao aumento nos custos com serviço a clientes na Península Ibérica e a redução do número médio de colaboradores.

Já no que diz respeito à dívida líquida a empresa liderada por António Mexia registou uma redução de 1,4 mil milhões de euros entre dezembro de 2015 e setembro de 2016, o que representa uma queda de 8% para 16 mil milhões de euros. A justificar a redução da dívida, uma das prioridades do grupo EDP, está a redução de ativos regulatórios devido à venda de défice tarifário, entre outros.

A capacidade instalada do Grupo EDP subiu 2% em termos homólogos, para 24.6GW, suportada por nova capacidade hídrica em Portugal e eólica nos Estados Unidos e Brasil e também com o encerramento de uma central a carvão em Espanha em janeiro. "A capacidade media instalada aumentou 7% em termos homólogos, reflexo da consolidação integral de Pecém I (desde Mai-15) e dos ativos provenientes do asset split na ENEOP", explica a elétrica.

"No mercado Ibérico, o EBITDA ajustado subiu 10% em termos homólogos, impulsionado por nova capacidade em operação, fortes recursos hídricos e volatilidade de preços (particularmente quando comparado com o cenário muito adverso em 2015) e melhoria de termos regulatórios na distribuição de eletricidade em Espanha", diz a EDP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de