Resultados

Lucros da Ibersol crescem 12,9% no primeiro semestre

A KFC é uma das marcas detidas pela Ibersol em Portugal. (REUTERS/Omar Sanadiki)
A KFC é uma das marcas detidas pela Ibersol em Portugal. (REUTERS/Omar Sanadiki)

Ibersol prevê ligeiro abrandamento do ritmo de crescimento das vendas no mercado português nos próximos meses.

A Ibersol registou no primeiro semestre 10,9 milhões de euros de lucro, uma subida de 12,2% em comparação com o período homólogo, foi hoje comunicado ao mercado.

De acordo com o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), no período em causa, o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) totalizou 26,5 milhões de euros, o que traduz uma subida de 3,3% face ao mesmo semestre do ano anterior.

A margem de EBITDA foi de 12,5% do volume de negócios, que compara com os 12,6% registados no período homólogo.

Nos primeiros seis meses do ano, o volume de negócios da empresa fixou-se em 211,3 milhões de euros, um crescimento de 3,4% em comparação com o primeiro semestre de 2017.

“Incluindo o efeito do aumento do salário mínimo, os custos com pessoal aumentaram 2,1%, tendo o peso desta rubrica reduzido para 31,3% do volume de negócios (31,7% em 2017). Não ocorreram aumentos decorrentes da atualização de tabelas salariais aplicáveis ao setor em Portugal, que poderão ser aplicados retroativamente”, lê-se no comunicado.

No primeiro semestre, os custos em fornecimentos e serviços externos cresceram 1,7%, passando a representar 33,5% do volume de negócios, menos 0,6 pontos percentuais do que no mesmo período do ano anterior, “apesar do aumento das rendas nas novas concessões nos aeroportos”.

Os outros proveitos operacionais ascenderam a 4,5 milhões de euros, o que representa uma queda de 0,4 milhões de euros, resultantes “do proveito não recorrente gerado pelo trespasse de um restaurante no período homólogo do ano anterior”.

Por sua vez, os custos operacionais ascenderam a um milhão de euros, dos quais 0,5 milhões de euros correspondem a taxas e impostos.

Os custos de financiamento líquido consolidado foram 2,2 milhões de euros, cerca de 0,2 milhões de euros inferiores ao do primeiro semestre de 2017.

“Registe-se, no entanto, que no primeiro semestre de 2018 esta rubrica inclui cerca de 0,9 milhões de euros correspondentes à contabilização do valor descontado das cauções prestadas em Espanha nomeadamente as exigidas pelos contratos celebrados das novas concessões”, indicou.

No período em causa, o ativo total ascendeu a cerca de 432 milhões de euros, enquanto o capital próprio situou-se em 192 milhões de euros, representando cerca de 44% do ativo.

O investimento total situou-se em 12,4 milhões de euros, dos quais cerca de 8,7 milhões de euros representam o investimento em novas aberturas e obras em curso, e o restante valor na remodelação e reconversão de alguns restaurantes.

Em 30 de junho, o endividamento remunerado líquido subia a 78,5 milhões de euros, menos 4,6 milhões de euros do que no final de 2017.

“Em Portugal prevê-se um ligeiro abrandamento do ritmo de crescimento das vendas na linha do que se verificou nos últimos meses, enquanto em Espanha se prevê a manutenção dos níveis atuais, embora mais moderados”, concluiu.

O grupo Ibersol posiciona-se no negócio da alimentação, detendo marcas como KFC, Burger King, Pans & Company, Pizza Hut e Pasta Caffé.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (D), e o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (E), participam na conferência de imprensa no final de uma reunião, em Loures. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Costa: “Há países que foram colocados em listas vermelhas por retaliação”

João Rendeiro, ex-gestor do BPP

João Rendeiro, ex-presidente do BPP, condenado a pena de prisão

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. (ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA)

Marcelo diz que revisão do défice “traduz bem a crise brutal”

Lucros da Ibersol crescem 12,9% no primeiro semestre