Resultados

Lucros da Novabase recuam 12% no primeiro trimestre

Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens
Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

Negócio internacional representa mais de metade da atividade da tecnológica portuguesa

Os lucros da Novabase recuaram 12% nos primeiros três meses de 2016 para os 1,7 milhões de euros. A empresa liderada por Luís Salvado atribui esta descida aos “interesses minoritários não controlados”, de acordo com o comunicado enviado esta quinta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A atividade internacional representou mais de metade (52%) dos negócios da tecnológica portuguesa, “acima do objetivo anual de 45%”. O volume de negócios recuou 13%, para os 47,1 milhões de euros, “pela limitação da exposição a alguns mercados emergentes onde atuamos”. O segmento de serviços já representa 86% do negócio total da Novabase.

Novabase vai usar design thinking para gerir processos de empresas

Os lucros antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA), por outro lado, cresceram 4% para os 4,2 milhões de euros. A rentabilidade passou para 8,9%, “dada a aposta nas ofertas especializadas de maior valor acrescentado.

A Novabase prevê um volume de negócios de 215 milhões de euros no final do ano. O EBITDA deverá situar-se entre os 14 e os 17 milhões de euros.

O primeiro trimestre da Novabase ficou marcado pela entrada no mercado norte-americano graças ao supercomputador Watson, da IBM.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h08 com mais informação)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Regresso ao trabalho - ilustração

O mundo do trabalho mudou. A saúde é agora lei

José Theotónio, CEO do Grupo Pestana.
(Diana Quintela / Global Imagens)

José Theotónio: “Haverá voos mas não virão logo com turistas para o Algarve”

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Lucros da Novabase recuam 12% no primeiro trimestre