Resultados

Lucros da Novabase aumentam 29% em 2016

Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens
Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

A empresa liderada por Luís Salvado revela um aumento do volume de negócios de 7% em relação a 2015, para os 135,7 milhões de euros.

A Novabase fechou 2016 com um resultado líquido de 9,6 milhões de euros, mais 29% face aos 7,4 milhões registados no ano anterior.

No comunicado de apresentação de resultados enviado esta quinta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM, a empresa liderada por Luís Salvado revela um aumento do volume de negócios de 7% em relação a 2015, para os 135,7 milhões de euros.

A tecnológica atribui o desempenho ao “crescimento internacional de 16% em linha com a aposta estratégica”.

O EBITDA caiu 51%, de 12 milhões de euros para 5,9 milhões, devido aos custos extraordinários associados “a um projeto”.

Em outubro do ano passado a Novabase vendeu o negócio de infraestruturas à Vinci por 38 milhões de euros.

A atividade internacional da tecnológica cresceu 16% e já representa cerca de 60% do total. Só na Europa as operações aumentaram 27% e já representam dois terços da atividade não doméstica.

Na Assembleia Geral de Acionistas do próximo dia 4 de maio a empresa vai propor o pagamento de um dividendo de 0,15 euros, no total de 4,7 milhões de euros, o que equivale a 49,2% do resultado líquido do grupo. No ano passado o dividendo pago aos acionistas foi de 0,12 euros por ação, no total de 3,8 milhões de euros.

Para 2017 a empresa estabelece como meta um volume de negócios superior a 140 Milhões de euros, face aos 135 milhões registados este ano, com mais de 60% do valor a ser alcançado fora de Portugal. No que toca ao EBITDA a Novabase espera crescer até aos 10 milhões de euros.

O objetivo da empresa para o próximo ano é “reduzir a exposição às economias com maior volatilidade e dificuldades cambiais”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Teste - Redação DV

Liberdade e sustentabilidade dos media, com ou sem apoio do governo?

Regime dos residentes não habituais garante isenção de IRS a quem recebe pensões do estrangeiro.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Primeiros 18 residentes não habituais prestes a perder benefício

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Lucros da Novabase aumentam 29% em 2016