Energia

Lucros da REN caíram 8% para 116 milhões de euros em 2018

O CEO da REN, Rodrigo Costa
O CEO da REN, Rodrigo Costa

Os lucros da empresa liderada por Rodrigo Costa recuaram 8% para quase 116 milhões de euros. Empresa vai propor dividendo de 17,1 cêntimos por ação.

A REN terminou o ano de 2018 com um resultado líquido de 115,7 milhões de euros, o que representa um recuo de 8,1% face ao ano anterior, de acordo com a informação enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A empresa defende que a quebra nos lucros deve-se sobretudo a uma maior taxa de imposto efetiva a qual, com a manutenção da Contribuição Extraordinária para o Setor Elétrico (CESE), ascendeu a 42%.

O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da empresa liderada por Rodrigo Costa situou-se nos 492,3 milhões de euros, um aumento de 1% face a 2017, “devido sobretudo à consolidação da Portgás (34,2 milhões de euros). Adicionalmente, houve uma contribuição positiva da venda do negócio de GPL(1) (3,7M€) e do resultado da Electrogas (∆ 0,7 milhões de euros). Ainda assim, o EBITDA foi afetado pela redução da remuneração dos ativos (-∆ 35,3 milhões de euros), na sequência dos parâmetros definidos para o atual período regulatório da eletricidade e da descida das taxas de rendibilidade das Obrigações do Tesouro”

O CAPEX (investimentos em bens de capital) ascendeu a 121,9 milhões de euros, menos quase 22% que no ano anterior.

“A desaceleração do investimento em novas infraestruturas de gás e eletricidade conduziu à redução das Transferências para Exploração, que totalizaram 121,9 milhões de euros (155,6 milhões de euros em 2017) e 88,5 milhões de euros (158,8 milhões de euros em 2017), respetivamente”, indica a empresa em comunicado.

O Conselho de Administração vai propor, na Assembleia Geral de Acionistas, marcada para 3 de maio, o pagamento de dividendos de 17,1 cêntimos por ação.

(noticia atualizada)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Lucros da REN caíram 8% para 116 milhões de euros em 2018