Resultados

Lucros da Sonae Sierra caem 8% no primeiro semestre

Foto: D.R.
Foto: D.R.

Entre os novos projetos da Sonae Sierra estão centros comerciais na Colômbia, Itália, Marrocos e Espanha.

A Sonae Sierra fechou o primeiro semestre de 2018 com menos lucros face ao mesmo período do ano passado. A gestora de centros comerciais do grupo Sonae registou um resultado líquido de 58,9 milhões de euros, menos 8% em relação aos 64,2 milhões dos primeiros seis meses de 2017. Os resultados foram publicados esta quinta-feira na CMVM.

Em comunicado, a empresa explica a queda dos lucros com “a redução do resultado indireto”, que tombou 24% de 34 milhões de euros para 25,9 milhões, “o que se deve essencialmente a um menor aumento da avaliação das Propriedades de Investimento”, lê-se na nota. Também o ganho da empresa com propriedades caiu 90% no período em análise. O lucro antes de juros e impostos aumentou 3,7% para 51,8 milhões de euros.

Citado no comunicado, o CEO da Sonae Sierra, Fernando Guedes de Oliveira, destaca que “o desempenho operacional dos centros comerciais melhorou no primeiro semestre de 2018, com as vendas dos lojistas e as rendas a aumentar em todo o portefólio, ao mesmo tempo garantindo uma taxa de ocupação elevada e estável em todas as geografias”. A Sonae Sierra gere centros comerciais em países como Espanha, Roménia ou Brasil.

O responsável sublinha ainda o aumento do número de projetos em desenvolvimento e a assinatura de 200 novos contratos de prestação de serviços. Entre os novos projetos da Sonae Sierra estão centros comerciais na Colômbia, Itália, Marrocos e Espanha. Em Portugal, decorrem os trabalhos de expansão do Centro Comercial Colombo e do NorteShopping. No caso deste último, o investimento de 72 milhões de euros vai dar origem a mais 15 mil m2 de superfície comercial.

Segundo os cálculos da empresa, o valor patrimonial dos seus ativos no final de junho rondava os 1,4 mil milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Estado ‘devolve’ em deduções 60% do Adicional ao IMI que cobra

Amoreira Óbidos

Espanha desapareceu do mapa e França descobriu o velho oeste português

António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

EDP quer exportar tecnologia do maior parque eólico flutuante do mundo

Outros conteúdos GMG
Lucros da Sonae Sierra caem 8% no primeiro semestre