Lucros da Sumol+Compal quadruplicam

Sumol+Compal

Os lucros da Sumol+Compal, em 2013 mais que quadruplicam em relação aos de 2012, atingindo os 4,4 milhões de
euros. Volume de negócios sobe 2% para 301,7 milhões de euros. Sendo que quase metade do volume de vendas (42%) foi feito no exterior.

De acordo com a empresa a “melhoria dos resultados líquidos ficou a dever-se, designadamente, à evolução das vendas nos mercados internacionais e também à performance operacional do grupo em termos nacionais”.

Leia também Investimento estrangeiro cai no país mas está de volta à Madeira

As vendas em Portugal ascenderam a 202,7 milhões de euros, “em linha com o ano anterior, enquanto o volume de vendas cresceu 1% para 247,4 milhões de litros”.

Nos mercados internacionais a evolução das vendas foi positiva,
registando-se um crescimento de 7,7% em valor, para 86,5 milhões de euros. A
empresa realizou vendas em mais de 70 países. “Em volume, as vendas nos
mercados internacionais cresceram 2,1% para 132 milhões de
litros, o que constitui um novo máximo histórico. Cerca de 42%
do volume das marcas da Sumol+Compal é realizado nos mercados externos”, adianta a empresa.

Refere ainda que no ano passado também conseguiu “reforçar a liderança no universo de bebidas não alcoólicas, tendo alcançado uma quota de mercado de 25,6%, beneficiando da introdução de novos produtos”.

De acordo com Duarte Pinto, presidente da Comissão Executiva da Sumol+Compal, “tendo em conta o contexto externo, o desempenho global foi muito positivo, reforçando a liderança do mercado de bebidas não alcoólicas em Portugal, alcançando um novo máximo histórico de vendas nos mercados internacionais, inovando mais e registando ganhos relevantes de eficiência em Portugal”.

Os resultados operacionais (EBIT) atingiram 24,6 milhões de euros, uma evolução positiva de 16%. Em 2012, o EBITDA foi de 35,6 milhões de euros, e cresceu 10,2%. O investimento ascendeu a 8,2 milhões de euros.

A dívida remunerada líquida situou-se nos 270,3 milhões de euros, contra 295,7 milhões de euros em 2012.

A empresa dá conta ainda dos projetos desenvolvidos em 2013, como, o estudo da arquitectura de marcas e da imagem destas, a execução de estratégias de redução de preços em embalagens familiares, o aprofundamento da relação com a produção frutícola e a optimização da organização em Portugal, o desenvolvimento do projecto de instalação de uma fábrica em Angola e a conclusão da requalificação e ampliação da fábrica em Moçambique.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Lucros da Sumol+Compal quadruplicam