Lucros do Santander crescem 12% para 385 milhões em Portugal

Em termos consolidados, o Santander viu os lucros caírem 35% para 3,7 mil milhões, efeito dos ajustamentos no fundo de comércio no Reino Unido.

O grupo bancário espanhol Santander obteve um lucro de 3,7 mil milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, uma diminuição de 35% em relação ao mesmo período do ano passado, com os resultados em Portugal a contribuírem com 385 milhões.

Na informação que enviou hoje à Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola, o grupo explicou que os resultados globais foram influenciados pelos impactos negativos de ajustamentos feitos no fundo de comércio no Reino Unido e dos custos de reestruturação anunciados anteriormente.

O Santander indica que, em Portugal, o “benefício ordinário” cresceu 12%, para 385 milhões, com uma nova redução dos custos.

Os empréstimos no país caíram 1% e as quotas de mercado nos novos empréstimos e hipotecas de empresas mantiveram-se em cerca de 20%, num mercado “ainda em processo de desalavancagem”, tendo os recursos de clientes aumentado 8%.

Nos nove primeiros meses do ano, o grupo Santander obteve receitas totais de 36,9 mil milhões de euros e aumentou o número de clientes em quase seis milhões nos últimos 12 meses, tendo atualmente 144 milhões de clientes, “mais do que qualquer outro banco na Europa e nas Américas”.

Segundo o banco, o aumento dos clientes permitiu um bom crescimento do negócio, com aumentos anuais dos recursos de crédito e dos recursos dos clientes de 4% e 6%, respetivamente, em euros constantes (excluindo o impacto das taxas de câmbio).

A qualidade do crédito manteve-se “muito sólida”, com uma redução do rácio de crédito malparado de 40 pontos base nos últimos 12 meses, para 3,47%, enquanto o custo do crédito se manteve “estável” em 1%.

Por outro lado, o número de clientes digitais aumentou 6,1 milhões nos últimos 12 meses, atingindo 36,2 milhões, uma vez que o investimento em tecnologia continuou a impulsionar a adoção de serviços digitais.

Segundo o banco, esta evolução na transformação digital permitiu que o índice de eficiência melhorasse em 50 pontos base no trimestre, atingindo 46,9%.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de