Energias Renováveis

Luís Amado: EDP tem de continuar a ser uma referência nas renováveis

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, Luis Amado, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República, em Lisboa, 27  de fevereiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, Luis Amado, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP entende que caso das rendas excessivas tem vindo a "desgastar" a empresa.

O processo de transição para as energias limpas acelerou e a EDP não pode distrair-se “tanto com o passado” se quiser continuar a ser uma referência nas energias renováveis, considera Luís Amando, em entrevista ao programa “Conversa Capital”.

“O que estamos a verificar é que a transição para a energia limpa, para a descarbonização da economia, se vai acentuar mais rapidamente e uma empresa como a EDP não pode desprezar a oportunidade de estar mais bem colocada do que as suas rivais para este processo”, refere o presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP para precisar que a empresa “não pode distrair-se tanto com o passado e perder tanto tempo à volta dos problemas do passado”.

Nesta entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Luís Amado afirma ainda não ter dúvidas de que o caso das rendas excessivas tem vindo a “desgastar” a empresa. Reconhecendo que a instituições têm de fazer o seu trabalho, assume-se como um “crítico de orientações que desgastam a imagem de uma empresa, que não devia ser favorecida, mas colocada num plano que tem enquanto principal multinacional de um setor extremamente importante para o futuro da economia portuguesa”.

O presidente do CGS da EDP não olha para este caso das rendas excessivas como uma perseguição, mas diz que a empresa está a ser usada como “uma espécie de arma de arremesso, na batalha política eleitoral, em nome de questões referenciadas no passado”.

Relativamente ao futuro, refere que, tal como prevê o plano estratégico, a empresa deverá reduzir a sua dimensão em Portugal (e no conjunto da Península Ibérica) e diversificar o seu portfolio de ativos em mercados “onde há potencial de crescimento”. Ainda assim, a sede vai manter-se em Portugal, sendo essa opção um compromisso assumido pela China Three Gorges (CTG) e que é “irrecusável”.

Apesar de ter uma Assembleia Geral marcada para dia 24 de abril e uma OPA em cima da mesa, o presidente do CGS da EDP considera que, independentemente do que possa vir a acontecer, a estratégia e o desafio da EDP, de se reestruturar e reorganizar para preservar o essencial dos ativos, não será posta em causa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EUA China

China retalia na ‘guerra’ com os EUA com tarifas em 75 mil milhões de bens

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Luís Amado: EDP tem de continuar a ser uma referência nas renováveis