Aeroporto

Luz verde ou chumbo ao Montijo só “a rondar outubro”

(Paulo Spranger/ Global Imagens)
(Paulo Spranger/ Global Imagens)

Governo quer que ANA avance mais rapidamente para as obras na Portela, admitiu o ministro das Infraestruturas.

Pedro Nuno Santos admite que o resultado do Estudo de Impacto Ambiental que está a analisar a viabilidade da abertura da base militar do Montijo a voos civis só deverá ser conhecido “a rondar outubro”.

O documento foi submetido pela ANA-Aeroportos a 12 de abril à APA, que está a analisar o documento desde aí, tendo já, no último mês, solicitado a prestação de mais informações à gestora aeroportuária nacional.

O ministro das infraestruturas, que está no Parlamento a responder aos deputados, acrescenta, ainda assim, que as obras na Portela estão programadas, confidenciando que o Executivo está a pressionar a gestora a avançar mais rapidamente do que esta desejaria para as obras.

“As primeiras obras têm a ver com a construção de duas saídas rápidas. Estamos a trabalhar com a ANA porque apresentámos prazos e eles responderam-nos com prazos mais estendidos no tempo”, disse Pedro Nuno Santos, precisando que “precisamos de com rapidez fazer obras no Humberto Delgado. Estamos em cima, estamos a trabalhar com a ANA. Há um desencontro com a ANA com os prazos de obra”, destacou ainda o Executivo.

Esta terça-feira, o governante já tinha afirmado que “a TAP é vítima também de um constrangimento premente no aeroporto Humberto Delgado. Temos um aeroporto saturado, com grandes problemas”, disse o ministro, lembrando que “vai daí que temos de fazer a ampliação o mais rapidamente possível”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

Mealhada, 3/7/2020 -  O complexo Turístico Três Pinheiros, um espaço emblemático da Bairrada, apresentou um pedido de insolvência  na sequência das quebras provocadas pela pandemia de Covid-19.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mais insolvências e menos novas empresas em julho

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

Luz verde ou chumbo ao Montijo só “a rondar outubro”