mobilidade

Lyft, rival da Uber, negoceia compra da Cabify e entrada nos países latinos

Cabify chegou a Portugal em maio de 2016. Fotografia: DR
Cabify chegou a Portugal em maio de 2016. Fotografia: DR

O processo decorre há vários meses e surge num momento decisivo para a Cabify, que enfrenta forte concorrência da Uber e dos chineses da Didi.

A plataforma de transportes Lyft, a maior rival da Uber nos Estados Unidos e Canadá, pode entrar nos próximos tempos em Portugal e nos países latinos. A empresa norte-americana está a negociar a compra da Cabify e a operação pode chegar aos três mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros), de acordo com a informação avançada esta sexta-feira pelo jornal El Confidencial.

O processo decorre há vários meses e surge num momento decisivo para a Cabify, que enfrenta forte concorrência da Uber e dos chineses da Didi, sobretudo na América do Sul. Isto implica que ou a empresa fundada em Espanha tentar obter mais financiamento para tentar ‘bater o pé’ a estes adversários ou tenta passar para as mãos da Lyft.

A Cabify, para já, parece estar interessada na venda, porque já decorreram reuniões em Madrid entre a administração da Lyft e os líderes da plataforma espanhola, que chegou a Portugal em 2016. Mas a decisão final poderá ser tomada só daqui a alguns meses: “as conversações estão avançadas mas não é iminente que acabem as negociações, e ainda podem cair. Se não houver problemas, a operação poderá ficar fechada entre o final deste ano e o primeiro semestre de 2019”, refere fonte próxima do processo à mesma publicação.

A Cabify, no início do ano, tornou-se na primeira startup ‘unicórnio’ de Espanha, ao apresentar uma avaliação superior a mil milhões de dólares.

A Uber também terá manifestado interesse na compra da Cabify, mas os contactos não tiveram sucesso: a empresa espanhola e a Lyft têm como acionista comum os japoneses do ecommerce Rakuten, que estão muito interessados na união destas plataformas porque conseguem, de uma só vez, entrar na Península Ibérica e na América Latina.

A fusão também poderá ser benéfica para a Lyft, porque antes de entrar no mercado de capitais poderá tornar-se numa plataforma global de transportes e não se centrar apenas nos Estados Unidos e Canadá.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
Lyft, rival da Uber, negoceia compra da Cabify e entrada nos países latinos