correios

Maior acionista dos CTT diz que Estado é “bem-vindo no capital”

(Amin Chaar / Global Imagens)
(Amin Chaar / Global Imagens) Fotografia: D.R.

Manuel Champalimaud retirou o apoio a Francisco Lacerda por considerar que o antigo líder dos correios não rebateu ataques à empresa.

O principal acionista dos CTT afirmou que se o Estado quiser entrar no capital da empresa de correios “por mim é bem-vindo”. Numa entrevista concedida ao Expresso, Manuel Champalimaud diz que “por princípio o Estado não deve estar nos negócios, mas para acabar com esta agitação e desconforto social se calhar era uma maneira de todos saírem a ganhar e de trazer tranquilidade”.

O empresário, que detém 13,08% dos CTT e que tem feito sucessivos reforços nas últimas semanas, explicou também a saída do antigo presidente da empresa de correios. Considera que Francisco Lacerda “respondeu de uma forma mais tímida do que gostaríamos” às acusações do regulador que acusava a gestão da empresa de estar a mentir.

Francisco Lacerda acabaria por sair do cargo, numa decisão anunciada em maio. Foi substituído por João Bento, gestor de empresas do grupo de Champalimaud.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Poupança das famílias subiu no 2º trimestre

Deco pede medidas urgentes para travar crédito ao consumo

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Maior acionista dos CTT diz que Estado é “bem-vindo no capital”