Mais de 40% do novo crédito ao consumo é para comprar carro

Aceleração nos empréstimos para compra de automóveis levaram a concessão de crédito ao consumo a bater novos máximos.

O crédito ao consumo não para de acelerar. Só em novembro, os novos empréstimos ao consumo totalizaram quase 655 milhões de euros, divulgou ontem o Banco de Portugal. Foi o montante mais elevado desde 2013, data dos primeiros dados disponibilizados pelo banco central. A puxar por estes valores está o crédito para a compra de carro, que representa mais de 40% do novo crédito dado para bens de consumo.

Nos primeiros 11 meses do ano, as entidades financeiras emprestaram mais de 6,1 mil milhões de euros para compra de bens ou serviços de consumo. Foram quase 555 milhões por mês. E um montante superior ao de anos anteriores. Por exemplo, em relação ao total de 2016 foi uma subida de 2,39%, um aumento de mais de 140 milhões de euros.

Mais de 2,52 mil milhões de euros foram destinados para a aquisição de automóvel a um ritmo de cerca de 230 milhões por mês. E neste segmento a aceleração é maior. Houve um crescimento de mais de 9% em relação ao ano anterior, um aumento de mais de 210 milhões de euros.

O montante concedido para a compra de carro foi o dobro do que foi emprestado em 2014. O peso do crédito automóvel no total dos empréstimos ao consumo é cada vez maior. Em 2017, pela primeira vez, passou a ser responsável por mais de 40% do total de financiamentos ao consumo concedidos por entidades financeiras em Portugal. Há quatro anos, essa proporção era de 30%.

Vendas de carros aceleram

Com a maior confiança dos consumidores e a abertura da torneira por parte das entidades financeiras, a venda de automóveis em Portugal meteu a quinta velocidade. Em 2017 foram vendidos mais 260 mil veículos ligeiros, segundo dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP). Foram quase mais 20 mil carros do que em 2016 e o ano mais forte em quase dez anos. Entre as maiores subidas de vendas, em termos percentuais, estiveram algumas marcas de luxo.

No Relatório de Estabilidade Financeira, divulgado em dezembro, o Banco de Portugal já havia notado a aceleração de crédito automóvel. E explicado o que está a motivar esta subida. O “crescimento deveu-se primordialmente ao financiamento para aquisição de automóvel, num contexto de melhoria do mercado de trabalho, de crescimento significativo do rendimento disponível real e de expectativas favoráveis quanto à evolução da situação económica geral”.

Bancos notam maior procura

O peso do crédito automóvel é agora semelhante ao dos empréstimos para outros fins (seja para obras para a habitação, consolidação de créditos ou sem nenhuma finalidade). Neste segmento foram concedidos 2,54 mil milhões de euros nos primeiros 11 meses de 2017. Está relativamente estável face a 2016.

Já no crédito pessoal para educação, saúde e energias renováveis tem havido um crescimento. Os empréstimos concedidos com estes objetivos crescem para mais de 57 milhões de euros. No total de 2016 foram de 51,1 milhões.

E o segmento do crédito ao consumo aparenta ser apetecível para os bancos, que têm diminuído os juros cobrados para fazer face à concorrência. Nos inquéritos que costuma fazer aos bancos sobre o mercado de crédito, o Banco de Portugal notou que se tem “observado um continuado aumento da procura de empréstimos para a finalidade referida , a par de um estreitamento de spreads para os empréstimos de risco médio, onde a pressão concorrencial de outras instituições financeiras é mais relevante”.

O supervisor liderado por Carlos Costa nota mesmo que contrariamente à generalidade de intermediários financeiros, “continuou a observar-se um aumento da atividade do subconjunto dos outros intermediários financeiros especializados na concessão de crédito, refletindo em particular o maior dinamismo do crédito ao consumo”.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de