Climate Change Leadership

Mais de dois milhões para poupança energética em Champagne

Margareth Henriquez é a CEO da The House of Krug e a presidente da Moët Hennessy Estate & Wines
Margareth Henriquez é a CEO da The House of Krug e a presidente da Moët Hennessy Estate & Wines

Aos 170 anos, a Krug é a mais jovem das casas de champanhe do grupo Möet Hennessy e Margareth Henriquez está apostada em garantir a sua continuidade pelos séculos vindouros

Margareth Henriquez é outra das oradoras da Climate Change Leadership na parte dos trabalhos dedicada às soluções para a indústria do vinho. Com mais de 40 anos de experiência no mercado é, desde 2009, CEO da companhia de champanhe The House of Krug e, desde 2017, presidente da Moët Hennessy Estate & Wines, a divisão de vinhos e bebidas espirituosas do grupo de luxo LVMH (Louis Vuitton Möet Hennessy).

Qual o contributo do grupo Moët Hennessy para o combate às alterações climáticas?
A Moët Hennessy possui casas que criam vinhos e bebidas espirituosas de luxo, incentivando e apoiando-os no seu compromisso com o desenvolvimento sustentável. A Krug é a mais jovem das casas de champanhe da Moët Hennessy e foi fundada em 1843. Nascida há 170 anos, a partir de uma visão de qualidade intransigente e respeito pelo saber fazer artesanal, pela viticultura e pelo terroir, a The House of Krug promete garantir sua continuidade para os próximos séculos e só com um compromisso total para com a sustentabilidade, através da proteção e do respeito pela natureza, isso é possível. Os nossos três locais de produção e todos os nossos champanhes estão em conformidade com os termos estabelecidos na carta ambiental do grupo LVMH. E, desde 2004, que a The House of Krug possui certificação ISO 14001, em práticas ambientais, e ISO 50001, de gestão de energia, desde 2016.

Que medidas têm tomado?
Evitamos a poluição de todas as nossas operações e estamos constantemente à procura de maneiras de reduzirmos o nosso impacto ambiental. Por exemplo, desde 2017, o transporte aéreo é estritamente reservado para casos excecionais, qualquer coisa como 0,3% dos nossos envios. Além disso, em 2011, reduzimos o tamanho das embalagem externas para diminuir o volume das nossas remessas. Avaliamos continuamente o nosso desempenho ambiental e estamos sempre a colocar em prática melhorias. Fazemos isso de imediato quando não há lugar a investimento ou incluímo-lo nos nossos planos de investimento de médio prazo quando há gastos envolvidos. Como a The House of Krug está localizada no mesmo local em Reims desde 1866, muitas mudanças implicaram investimentos significativos. E continuarão a exigi-los. Prestamos atenção a cada etapa do processo para minimizar a emissão de gases de efeito estufa – desde o trator elétrico aos camiões a gás natural comprimido – e procuramos adaptar os nossos métodos de trabalho ao aquecimento global. A Moët Hennessy incentiva todas as casas a envolverem-se no seu compromisso de cuidar do planeta, o que inclui todas as ações relacionadas com o clima. E continuamos a investir na descoberta de novas terras, novas técnicas, novas altitudes na Argentina e na conclusão de novos terroirs para garantir um ecossistema integrado na China. Temos, desde há quatro anos, uma equipa global que reúne todo o talento técnico para compartilhar práticas e definindo metas comuns de médio a longo prazo, tais como termos todas as nossas novas instalações de acordo com os High Environmental Quality (HEQ) standards de modo a melhorarmos a sua eficiência, seja ao nível das poupanças de energia, seja da redução das emissões de gases com efeito de estufa.

Quais são os objetivos e investimentos planeados?
Fazendo parte da LVMH, implementamos um fundo de carbono. A contribuição total do ano passado deveria ter rondado 1,1 milhão de euros, mas alcançamos mais do dobro desse valor para apoiar os investimentos em poupança energética. Em Champagne, por exemplo, avançamos com a mudança da iluminação das nossas caves, substituindo as lâmpadas de sódio por LED e, entre muitos outros investimentos, compramos tratores elétricos (sabendo que temos um contrato de fornecimento de eletricidade verde). E temos investimentos significativos em edifícios HEQ para as diferentes casas.

Porque aderiu à iniciativa Climate Change Leadership?
Como um grupo líder no setor temos a obrigação de contribuir para minimizar os efeitos das alterações climáticas e de adaptar as nossas formas de trabalhar ao aquecimento global, bem como de ouvir e de aprender com os outros. Acreditamos que devemos juntar esforços para agirmos em face deste enorme desafio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Mais de dois milhões para poupança energética em Champagne