media

Manuel Carvalho é o novo diretor do Público

Manuel Carvalho, diretor do Público.
( José Carmo / Global Imagens )
Manuel Carvalho, diretor do Público. ( José Carmo / Global Imagens )

Administração já comunicou novo nome para a direção do Público. Restante direção ainda não é conhecida

Manuel Carvalho é o novo diretor do Público. O nome foi já comunicado pela administração do título da Sonaecom à redação, confirmou o Dinheiro Vivo junto a fontes da redação. Ainda não são conhecidos os nomes que irão acompanhar Manuel Carvalho na direção do diário.

A opção da administração recaiu numa escolha interna. Manuel Carvalho fez parte da equipa inicial do projeto lançado em 1989 pelo grupo Sonae. Foi Grande Repórter, lançou o Fugas em parceria com o David Lopes Ramos, e fez parte da direção do jornal em 2000.

O anúncio surge um dia depois de ser conhecido a demissão de David Dinis, na direção desde 2016, na sequência do despedimento feito pela administração de Diogo Queiroz de Andrade, por eventuais discordâncias com a estratégia digital, pelouro sob a responsabilidade do diretor adjunto.

A administração do Público garantiu esta terça-feira que “não interferiu em matéria editorial” ao demitir o diretor-adjunto Diogo Queiroz de Andrade, sublinhando que a demissão ocorreu sem a concordância do diretor, David Dinis, “mas não à sua revelia”.

“A administração, ao demitir o diretor-adjunto sem a concordância do diretor, mas não à sua revelia, não interferiu em matéria editorial, limitou-se a exercer um seu direito consagrado na lei de imprensa — o de nomear e de demitir o diretor, o subdiretor e diretores-adjuntos”, defendeu a administradora Cristina Soares, em comunicado citado pela Lusa.

A direção do Público era composta por David Dinis e, além de Diogo Queiroz de Andrade, integrava Tiago Luz Pedro e Vítor Costa como adjuntos, que também apresentaram a sua demissão. Sónia Matos é diretora de Arte do diário.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno e Pierre Moscovici. Fotografia: EPA/TIAGO PETINGA

Bruxelas. Orçamento é arriscado e pode acabar em “desvio significativo”

Primeira-ministra britânica, Theresa May, e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia. Fotografia:  REUTERS/Hannah McKay

Theresa May vai a Bruxelas no meio de uma encruzilhada

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: Steven Governo/Lusa

OCDE. Défice português “desaparece” em 2020, mas é preciso mais

Outros conteúdos GMG
Manuel Carvalho é o novo diretor do Público