transportes

Máquina da IP ignorou sinal vermelho. Alfa Pendular chocou a 190 km/h em Soure

Composições do comboio Alfa Pendular após ter descarrilado na Linha do Norte, no concelho de Soure, distrito de Coimbra, após colisão com uma máquina de trabalho, ( PAULO CUNHA / LUSA)
Composições do comboio Alfa Pendular após ter descarrilado na Linha do Norte, no concelho de Soure, distrito de Coimbra, após colisão com uma máquina de trabalho, ( PAULO CUNHA / LUSA)

Veículo de manutenção da IP, sem sistema de segurança, ultrapassou sinal vermelho e entrou na linha onde circulava o Alfa Pendular.

A colisão, em Soure, entre o comboio Alfa Pendular e o veículo de manutenção da IP – Infraestruturas de Portugal deu-se a 190 km/h. Esta é o resultado da avaliação preliminar ao acidente ferroviário ocorrido na tarde de sexta-feira na Linha do Norte e que provocou dois mortos. Os dados foram tornados públicos este sábado pelo GPIAAF – Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários.

Pelas 15h24, o veículo de manutenção da IP (VCC – veículo de conservação de catenária) terá ignorado o sinal vermelho na estação de Soure e entrou na via principal onde menos de dois minutos depois passou o Alfa Pendular. Pelas 15h26, o Alfa Pendular com destino a Braga acabou por colidir no veículo de manutenção, segundo o documento.

Como tudo se passou?

O veículo de manutenção da IP estava a realizar uma marcha de serviço entre Entroncamento e Mangualde. A bordo, seguiam dois trabalhadores da gestora de infraestruturas, um agente de condução e um agente de acompanhamento, mas que não estavam a realizar quaisquer trabalhos durante a viagem.

Pelas 15h09, este veículo estava a aproximar-se da estação de Soure, onde iria passar uma via de resguardo (linha III), segundo instrução do posto de comando de circulação de Pombal. Dessa forma, o Alfa Pendular, o comboio rápido, iria ultrapassar o VCC da IP pela linha I, cumprindo as regras de cedência de passagem.

O veículo de manutenção cumpriu a instrução e parou na linha de resguardo em Soure pelas 15h12. O sinal de saída (S5, na imagem) estava vermelho. Tratando-se de um sinal automático, está associado a balizas do sistema de controlo de velocidade que estão colocadas na linha para desencadear a frenagem automática dos comboios equipados com Convel em caso de ultrapassagem indevida de sinais. Em Portugal, todos os comboios têm instalado o sistema de controlo de velocidade, com exceção dos veículos de manutenção da IP.

Sinal_Soure

Pelas 15h24, o Alfa Pendular tinha sinal verde para passar por Soure, enquanto o VCC aguardaria na linha de resguardo. Só que não foi isso que aconteceu, como descreve o documento dos peritos.

“Alguns momentos depois deste evento, por razões que neste momento estão indeterminadas e que serão aprofundadas no decurso da investigação, o VCC 105 reinicia a sua marcha, ultrapassando o sinal S5 que se mantinha com aspeto vermelho. Os VCC, tal como a generalidade dos veículos de manutenção de via no nosso país, não estão equipados com o sistema Convel, motivo pelo qual não foi desencadeada a frenagem automática resultando na consequente imobilização do VCC 105 antes de atingir um ponto de perigo.”

Como o comboio de manutenção passou o sinal vermelho na linha III, o sinal para a linha principal passou automaticamente a vermelho. Só que, “uma fração de segundo antes”, o Alfa Pendular “tinha acabado de ultrapassar” o sinal verde que lhe correspondia e o sistema Convel instalado “recebeu informação de que a via se encontrava livre, o que naquele momento correspondia à verdade”.

Pelas 15h25, a 190 km/h, os dois maquinistas do Alfa Pendular visualizaram que o sinal da linha de resguardo estava vermelho e que o veículo de manutenção da IP estava a entrar na linha principal. Os maquinistas da CP apenas tiveram tempo para acionar o travão de emergência. A colisão ocorreu pelas 15h26.

“Na sequência da colisão, descarrilaram os primeiros dois veículos do CPA 4005 e o VCC foi arrastado à sua frente durante cerca de 500 metros, até à imobilização do conjunto”. Os dois trabalhadores ao serviço da IP morreram no acidente. Houve quatro feridos graves, três passageiros e um dos maquinistas do Alfa Pendular ficou em estado grave.

Seguiam a bordo 211 passageiros: 39 ficaram com ferimentos ligeiros; 169 escaparam ilesos.

O valor estimado dos danos é de 150 mil a 2 milhões de euros.

Com os dados já recolhidos, os peritos afirmam “não existirem quaisquer indícios de anomalias na infraestrutura, incluindo os sistemas de sinalização, ou no comboio Alfa Pendular e sua operação que tenham influído no acidente”.

Isto quer dizer que os peritos vão focar-se na investigação sobre o veículo de conservação de catenária da Infraestruturas de Portugal. Estes veículos não têm instalado o sistema Convel, embora o gabinete de peritos assim o tenha recomendado em 2018, depois de ter ocorrido, entre 2010 e 2017, um total de 15 situações de ultrapassagem indevida de sinal.

O relatório final será publicado “num prazo não superior a 12 meses.

“Isto não é um incidente menor”. O que explica o descarrilamento em Soure?

(Notícia atualizada com mais informação pelas 13h23)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. FILIPE FARINHA/LUSA

Marcelo promulga descida do IVA da luz consoante consumos

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

Máquina da IP ignorou sinal vermelho. Alfa Pendular chocou a 190 km/h em Soure