auto-estrada

Marão. Costa cita Miguel Torga e elogia Sócrates

O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António José/Lusa
O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António José/Lusa

Primeiro-ministro defende que obra vai abrir região à Europa. Já Sócrates acusou Passos Coelho de "insensibilidade".

O primeiro-ministro António Costa elogiou hoje o antigo primeiro-ministro José Sócrates e os responsáveis pela obra do Túnel do Marão, que demorou sete anos a ser construído e está estar tarde a ser inaugurado.

“Quero, na pessoa do senhor engenheiro José Sócrates, saudar hoje todos os que, desde 2007, nos sucessivos Governos, contribuíram para que esta obra fosse construída”, afirmou o primeiro-ministro.

No seu discurso de inauguração, António Costa lembrou que o túnel é “uma homenagem à gente de Trás-os-Montes”. “Este é um dia histórico para o país”, frisou, dizendo que “é preciso fazer agora o resto”, ou seja, ter uma “nova visão estratégica desta região no espaço nacional”.

Citando Miguel Torga, com a expressão “para lá do Marão mandam os que lá estão”, o primeiro-ministro frisou que a maior proximidade de Trás-os-Montes não significa que todas as decisões sejam tomadas “no Terreiro do Paço”, esperando que o projeto dê “um novo impulso à descentralização”.

Costa diz que espera que o túnel do Marão permita que Trás-os-Montes deixe de ser o interior do país para passar a ser a porta de entrada para a Europa, aproximando esta região a Espanha e ao centro da Europa, diminuindo as desigualdades e tornando o país “mais coeso e com mais crescimento”.

Sócrates acusa Passos de “insensibilidade”

Apesar da presença de António Costa e de vários ministros e secretários de Estado do atual Governo quem brilhou foi o antigo primeiro-ministro José Sócrates. Entrevistado várias vezes pelos jornalistas no local, Sócrates, que lançou o projeto do túnel do Marão, acusou o antigo primeiro-ministro Passos Coelho de não ter compreendido a importância e o “simbolismo” da obra.

“Creio que não compreendeu a importância da obra. Nessa medida fico espantado. Considero isso uma tamanha insensibilidade”, acusou.

Já Pedro Passos Coelho recusou estar presente, dizendo aos jornalistas que nunca esteve em inaugurações.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Pedro Amaral Jorge, presidente da APREN
(João Silva/Global Imagens)

APREN. Renováveis contribuem com 15 mil milhões de euros para o PIB

Outros conteúdos GMG
Marão. Costa cita Miguel Torga e elogia Sócrates