Paços de ferreira

Marca “Capital do Móvel” alavancou notoriedade de Paços de Ferreira

Paços de Ferreira,  Capital do Móvel. Fotografia:  Fernando Pereira / Global Imagens
Paços de Ferreira, Capital do Móvel. Fotografia: Fernando Pereira / Global Imagens

A marca "Capital do Móvel", criada em Paços de Ferreira na década de 1980, representou uma mais-valia para o concelho

A marca “Capital do Móvel”, criada em Paços de Ferreira na década de 1980, representou uma mais-valia para a dinamização económica e a notoriedade do concelho, o que é hoje reconhecido por autarcas e empresários.

“É inegável que a Capital do Móvel deu de comer a uma geração. Grande parte dos empresários cresceu com a Capital do Móvel. A marca representa uma mais-valia e é responsável pela dinamização económica”, comenta o mentor da designação, o antigo presidente da Câmara Arménio Pereira.

A marca “Capital do Móvel” está ligada ao certame com o mesmo nome, do qual já se realizaram 46 edições.

O evento, atualmente com 15.000 metros quadrados de exposição e 150 empresas, é o maior do género no país e atrai habitualmente dezenas de milhares de visitantes, incluindo muitos espanhóis.

Realizada desde 1984, a feira representa atualmente uma receita de cerca de sete milhões de euros na comercialização de mobiliário e artigos de decoração. Por lá têm passado vários governantes, que têm evidenciado a importância do certame, do setor e do concelho na economia portuguesa.

A força da marca ganhou contornos nacionais, ao ponto de muitos órgãos de comunicação se referirem à cidade e ao concelho com a expressão “Capital do Móvel”. O próprio estádio de futebol da equipa que milita na primeira divisão assumiu, em 2013, aquela designação.

O ex-autarca destaca à agência Lusa que, desde a criação da marca, existem empresas de sucesso no concelho “que conquistaram novos nichos de mercado”.

Questionado sobre o que o levou a criar aquela marca há quase 30 aos, Arménio Pereira diz terem sido sobretudo razões económicas.

“Deparei-me, à data, com uma situação económica difícil. O município enfrentava o desemprego. Senti que tinha de fazer alguma coisa para resolver o problema”, recorda, acrescentando ter pensado “avançar com uma feira para resolver o problema endémico do desemprego”, sugerindo que se chamasse “Capital do Móvel”.

À data, já se pretendia dar uma dimensão nacional e internacional ao evento, o que foi conseguido com a sucessão de edições, até hoje.

Com a dinâmica conquistada e a posterior globalização, segundo Arménio Pereira, os empresários locais começaram a participar nas feiras internacionais, nomeadamente, em Espanha e noutros países.

Também para Rui Carneiro, presidente da Associação Empresarial de Paços de Ferreira, entidade responsável pela organização do evento, “a marca Capital do Móvel continua a ser uma referência no concelho e no país”.

“Nos últimos 25 anos fez-se um investimento forte na promoção da marca e isso trouxe notoriedade e visibilidade”, vinca.

Atualmente, 60% da faturação do concelho resulta do setor do mobiliário (cerca de 200 milhões de euros) e 85% da produção das empresas do mobiliário é para exportação.

A Câmara de Paços de Ferreira criou, entretanto, a marca “Capital Europeia do Mobiliário”, com o objetivo de promover o potencial exportador da indústria.

Contudo, segundo a AEPF, “urge acompanhar esta alteração com um investimento firme ao nível promocional”.

“Nesta fase, a marca Capital do Móvel, sem a designação “Capital Europeia do Mobiliário, continua a ter mais força”, defende Rui Carneiro, numa opinião partilhada por Joaquim Barbosa, empresário local há 36 anos.

Reconhecendo que a criação da “Capital do Móvel” impulsionou a indústria local, assinala, em declarações à Lusa, que “a excelência das empresas e dos produtos deve ser promovida além-fronteiras”.

Para o empresário, o futuro do setor “passa pela aposta em novos nichos de mercado, pela presença nas feiras internacionais e pela aposta na diferenciação dos produtos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. FILIPE FARINHA/LUSA

Marcelo promulga descida do IVA da luz consoante consumos

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

Marca “Capital do Móvel” alavancou notoriedade de Paços de Ferreira