Climate Change Leadership

Max Burguers. Estes hambúrgueres são amigos do ambiente

Kaj Török, diretor de sustentabilidade da Max Burguers
Kaj Török, diretor de sustentabilidade da Max Burguers

Kaj Török é o diretor de sustentabilidade da Max Burgers e será um dos oradores convidados para intervir na quinta à tarde, na Porto Summit, que será encerrada por Al Gore

Criada em 1968, esta é a cadeia de hambúrgueres com mais sucesso na Suécia. Conta com mais de 130 restaurantes no país de origem, mas, também, na Noruega, Dinamarca, Polónia e Egito, e faturou 328 milhões em 2017. Através do projeto The world’s first climate-positive burgers, cada hambúrguer viu reduzido em 100% a sua pegada ecológica. Desde 2016 que quintuplicou a oferta de Green Family Burguers, as opções vegetarianas, cujas vendas subiram 900% em dois anos.

Um estudo recente da revista “Nature” conclui que devemos reduzir substancialmente a quantidade de carne que consumimos ou testemunharemos um colapso climático global. Como vê essa ameaça?
Não conheço esse estudo, mas precisamos de reduzir drasticamente a pegada de carbono da carne. Para um sueco típico, precisaríamos de uma redução de, pelo menos, 80%. Isto significa que o produto tradicional de assinatura Max, o hambúrguer clássico de carne vermelha, tem um futuro muito incerto como o herói do nosso cardápio. Na verdade, mudamos nosso nome de MAX Hamburgers para MAX Burgers para nos alinharmos com o nosso novo modelo de negócios.

Quando perceberam a necessidade de diminuir a vossa pegada ambiental?
Em 2008, lançamos o primeiro menu do mundo rotulado como amigo do ambiente e começamos a capturar carbono por meio de plantações de árvores. Já temos mais de 1,5 milhões de árvores plantadas em África.

Que outras medidas implementaram?
Fizemos muitas coisas para reduzir as nossas emissões ao longo dos anos. Desde 2008 que 100% de eletricidade usada nos nossos restaurantes e escritórios suecos é gerada pelo vento, além de dispormos da maior variedade de refeições verdes e vegans de toda a indústria, seja com opções ovo-lacto-vegetarianas ou 100% vegetarianas. Nas nossas cozinhas, garantimos que menos de 1% da comida é desperdiçada, além de que transformamos os óleos usados em biodiesel. Eliminamos todo o óleo de palma e implementamos uma série de medidas de eficiência energética nos nossos restaurantes e escritórios.

Todas essas alterações são vistos como investimentos ou como custos adicionais?
Definitivamente como um investimento. O compromisso de combater as alterações climáticas revelou-se, para nossa surpresa, mais rentável do que a abertura de novos restaurantes.

E que outras medidas têm em vista?
Vamos continuar a reduzir as emissões, continuar a inspirar outras empresas a tornarem-se carbono-positivas e a fazermos a nossa parte para ajudarmos a criar um padrão global para um clima positivo.

Há um aumento crescente de pessoas que não consomem carne. Não só os vegetarianos, mas também os veganos, que são fiéis a um estilo de vida que vai para além da alimentação e da nutrição. Como olham eles para cadeias como a Max Burgers?
Onde outros veem ameaças nós vemos oportunidades. Temos a maior variedade de refeições veganas do setor e há muitos veganos que gostam da Max Burguers apesar de ainda servirmos carne porque sabem que estamos a liderar a mudança para a proteína verde, algo que eles querem ver mais no mundo. E, claro, porque acham que temos os hambúrgueres veganos mais saborosos.

Que mensagem trará ao Porto Summit?
A principal razão que nos faz estarmos presentes é a vontade de inspirarmos mais empresas a anularem a sua pegada ecológica. Ainda podemos mudar a história da mudança climática de um fracasso para um sucesso e as empresas podem transformar os consumidores em heróis do clima. A segunda razão é que vamos aproveitar para atrair potenciais franchisados do calibre certo que queiram fazer parte de uma maneira melhor de fazer negócios. Hoje, as operações da Max são 90% de propriedade familiar, mas, se encontrarmos o parceiro certo no mercado certo, podemos considerar uma expansão mais rápida através do franchise.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Max Burguers. Estes hambúrgueres são amigos do ambiente