McDonald’s cria Sundae com ananás dos Açores. “É uma nova vida para um produto típico”

O novo Sundae de ananás
O novo Sundae de ananás

A partir de
amanhã e durante os próximos três meses vai ser possível juntar o sabor do
ananás de São Miguel (Açores) aos gelados Sundae da McDonald’s. O produto
estará disponível em todos os 138 restaurantes da marca, utilizando uma dúzia
de toneladas de ananás. Estas 12 toneladas representam o equivalente a 1% das
mil e duzentas toneladas de produção anual deste fruto, que recentemente obteve
a distinção de “sabor do ano 2013”.

Mas mais que a quantidade, o que foi hoje
destacado pelos responsáveis da Profrutos, uma cooperativa de produtores de São
Miguel, foi a projeção que este Sundae Origens vai dar a um produto que
continua a ser cultivado com as mesmas técnicas e métodos usados desde o século
XIX. “É uma forma de dar uma nova vida e um novo tipo de utilização a um
produto típico”, sublinhou Rui Pacheco, presidente da Profrutos, na
apresentação do Sundae Origens com cobertura de ananás de São Miguel.

Este Sundae
é o terceiro com cobertura de fruta nacional e de origem protegida lançado no
mercado português. Surge agora, porque como referiu Marta Moreira, diretora de
qualidade da McDonald’s para Portugal e sul da Europa, um dos objetivos deste
projeto é “acompanhar a sazonalidade da fruta”. Para fazer chegar este novo
Sundae Origens ao mercado, a McDonald’s conta com a parceria da Frulact,
responsável pelo preparado de fruta, e da Profrutos, que agrega 50% da produção do ananás de São Miguel.

A permanência desta nova cobertura nas lojas
poderá ultrapassar os três meses se a procura dos consumidores superar as
previsões. Não seria a primeira vez que o sucesso de um produto desta gama,
desenhado especificamente para o mercado português, conseguia furar “este
prazo”: o anterior Sundae, com cobertura de maçã de Alcobaça e canela, ficou à
venda durante cinco meses.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EPA/MICHAEL REYNOLDS

Ação climática. Portugal vai ter de gastar mais de um bilião de euros

Quartel da Graça, em Lisboa. (Fotografia: D.R.)

Revive: Sete hoteleiros na corrida para transformar o Quartel da Graça

Thomas Cook era a agência turística mais antiga do mundo. ( EPA/ARMANDO BABANI)

Thomas Cook declarou falência. 600 mil turistas procuram solução

Outros conteúdos GMG
McDonald’s cria Sundae com ananás dos Açores. “É uma nova vida para um produto típico”