Impostos

McDonalds arrisca pagar cerca de 500 milhões em impostos na União Europeia

restaurante mcdonalds
Foto: D.R.

Bruxelas está a analisar acordo entre a multinacional norte-americana e o Luxemburgo.

Primeiro a Apple, agora a McDonalds. Bruxelas garante que não abriu guerra às multinacionais norte-americanas, mas está a investigar um alegado benefício fiscal concedido pelo Luxemburgo à cadeia de fast-food.

De acordo com o britânico Financial Times, que cita dados da investigação da Comissão Europeia aberta em 2015, a McDonalds terá pago uma média de 1,49% de imposto sobre lucros de 1,48 mil milhões de dólares (1,33 milhões de euros) arrecadados desde 2009 pela sede europeia, localizada no Luxemburgo.

Segundo a mesma fonte, o acordo estabelecido entre o Luxemburgo e a McDonalds permitiu à empresa não pagar impostos, nem na Europa nem dos EUA, sobre os ‘royalties’ dos restaurantes europeus em regime de franchising.

A investigação é tornada pública cerca de duas semanas depois da Comissão ter exigido à Apple o pagamento de 13 mil milhões de euros em impostos à Irlanda. Se a mesma metodologia fosse usada no caso da McDonalds, a empresa teria que pagar quase 500 milhões de dólares (448 milhões de euros) em impostos no Luxemburgo, onde a taxa normal sobre os lucros é de 29,2%, avança ainda o Financial Times.

A McDonalds contesta qualquer favorecimento, alegando ter pago “os impostos que eram devidos” e garantindo que não receberam “qualquer tratamento preferencial”. A mesma fonte, citada pelo Financial Times diz que entre 2011 e 2015 as subsidiárias europeias da multinacional pagaram 2,5 mil milhões de dólares em impostos na União Europeia, com uma taxa média de 27%.

O porta-voz da Direção-geral da Concorrência veio entretanto esclarecer que este não é um ataque às empresas norte-americanas: “Aplicamos as regras de ajudas estatais a todas as empresas, independentemente de terem a sede na Europa, nos EUA ou em qualquer outro sítio”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
McDonalds arrisca pagar cerca de 500 milhões em impostos na União Europeia