media

Media Capital: Impossível vender ações até ao final deste ano

TVI-930x594

O acordo parassocial acordado entre a Vertix (Prisa) e a Pluris Investments, de Mário Ferreira, sobre a Media Capital obriga que as partes mantenham as ações na Media Capital “até 31 de dezembro”, foi divulgado na noite de quinta-feira.

A Prisa, que detém 100% da Vertix, anunciou na quinta-feira que o empresário Mário Ferreira comprou 30,22% da Media Capital, dona da TVI, através da Pluris Investments, numa operação realizada por meio da transferência em bloco das ações por 10,5 milhões de euros.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta noite, a Media Capital refere que foi notificada pela Vertix SGPS acerca do acordo parassocial com a Pluris Investments relativamente à dona da TVI, que inclui a procura de novos investidores e um período de bloqueio (‘lock-up’), entre outros pontos.

“As partes concordam em procurar ativamente, de forma coordenada, novos investidores que permitam facilitar o desinvestimento da Vertix” na Media Capital, lê-se no documento.

Além disso, a Vertix “evitará entrar, sem o consentimento prévio da Pluris, em qualquer negociação e/ou acordo ou qualquer tipo de compromisso com terceiros em relação às ações detidas pela Vertix” na Media Capital, incluindo qualquer cessão, retenção de títulos, entre outros.

“As partes comprometem-se a não transferir qualquer das suas ações na empresa [Media Capita] (ou quais direitos ligados a elas) até 31 de dezembro de 2020 (‘lock-up period’ – período de bloqueio)”, refere o comunicado.

O ‘lock-up period’ é um período determinado em que acionistas e investidores estão impedidos de vender as suas ações.

No caso em que, decorrido o período de bloqueio, uma parte deseje transferir as suas ações da empresa, “tem de notificar essa intenção à outra parte, que, dentro de 15 dias após a notificação indicará se deseja alienar, nos mesmos termos que o notificado”.

O acordo parassocial prevê condições para se proceder à transferência, bem como penalização por incumprimento de cláusulas.

“O acordo entra em vigor na data de sua assinatura e terá prazo de vigência de um ano, que será renovado automaticamente por períodos de um ano, salvo aviso prévio de término dado por uma das partes pelo menos seis meses antes da expiração do prazo inicial ou de qualquer uma das suas renovações”, adianta.

Em comunicado aos reguladores de mercado português e espanhol, a Prisa refere que a Vertix SGPS, sua subsidiária, e a Pluris Investments, empresa de Mário Ferreira e Paula Ferreira, firmaram “a aquisição pela Pluris de ações representativas de 30,22% do capital social da subsidiária portuguesa da Prisa, grupo Media Capital SGPS”.

“A operação foi realizada por meio de transferência em bloco das ações por um preço de 10.500.000 euros”, acrescenta.

Com esta operação, a Prisa, através da Vertix, iniciou o processo de desinvestimento na Media Capital e reduziu a sua posição de 94,69% para 64,47% na dona da TVI.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, intervém durante a cerimónia de assinatura de declaração de compromisso de parceria para Reforço Excecional dos Serviços Sociais e de Saúde e lançamento do programa PARES 3.0, no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em Lisboa, 19 de agosto de 2020. ANDRÉ KOSTERS/LUSA

“Na próxima semana podemos chegar aos 1000 casos por dia”, avisa Costa

Fachada da Caixa Geral de Depósitos. 
(Sarah Costa / Global Imagens)

Clientes da CGD sem acesso ao serviço Caixadirecta

App Stayaway covid

App Stayaway Covid perto do milhão de downloads. 46 infetados enviaram alertas

Media Capital: Impossível vender ações até ao final deste ano