media

Media Capital sobre OPA da Cofina. “Oferta não é inoportuna”

TVI-930x594

Conselho de administração da Media Capital admite que seria "adequado um eventual aumento ou revisão em alta da contrapartida da Oferta".

O conselho de administração da Media Capital já se pronunciou sobre a OPA da Cofina ao grupo dono da TVI: ” a Oferta não é inoportuna, na medida em que, no seu entender, não afeta o normal desenvolvimento da Media Capital.” O valor da oferta é “adequado”, embora a liderança da dona da TVI considere como “adequado um eventual aumento ou revisão em alta da contrapartida da Oferta”.

A Cofina avançou com uma OPA sobre a dona da TVI, cujo registo aguarda aprovação da CMVM. O dono do Correio da Manhã ofereceu uma contrapartida de 2,3336 euros/por ação, mas o valor final será determinado por um auditor independente nomeado pelo regulador de mercados. “Assim, o conselho de administração reservar-se-á para o futuro a pronúncia sobre uma contrapartida mínima que venha a ser determinada por auditor independente, caso esta venha a divergir das contrapartidas referidas”, pode ler-se em comunicado enviado ao mercado.

Mas, sobre a contrapartida oferecida pela Cofina, o conselho de administração do Grupo Media Capital “analisou diversas avaliações relativas às condições financeiras da Oferta, que permitem considerar que uma contrapartida de 2,3336 euros (dois euros, trinta e três cêntimos e trinta e seis centésimas de cêntimo) por ação da Media Capital se afigura adequada.”

“O conselho de administração entende ainda como adequado um eventual aumento ou revisão em alta da Contrapartida da Oferta, encontrando-se num intervalo de valorização da Sociedade Visada que se considera razoável e apropriado.”

A compra da Media Capital vai permitir à Cofina “tornar-se num grupo integrado e mais competitivo de media em Portugal: televisão, publicação de jornais e revistas, rádio, digital e produção audiovisual”, sendo a expectativa que a aquisição “permita criar um Grupo mais preparado para enfrentar os desafios que se colocam atualmente à indústria dos media, em especial à imprensa tradicional”, realça o conselho de administração da dona da TVI.

“O conselho de administração considera positiva a estratégia apresentada na medida em que prevê designadamente, potenciar o investimento na expansão digital, o lançamento de serviços inovadores e a promoção e desenvolvimento de conteúdos produzidos em Portugal, mantendo-se como um ativo com identidade portuguesa”, consideram.

O conselho de administração da Media Capital também faz uma avaliação positiva do impacto desta operação nos interesses dos seus trabalhadores e nas suas condições de trabalho, mostrando-se “confiante de que a entrada da Oferente no capital social do Grupo Media Capital terá um impacto positivo para as estruturas dos trabalhadores na medida em que a se integrará numa estratégia de consolidação dos media no plano global, mantendo-se no essencial a atividade das sociedades que com a Sociedade Visada estão em relação de domínio ou grupo”.

Em conclusão: “O conselho de administração da Media Capital considera que a Oferta é oportuna e que as respetivas condições são adequadas.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Media Capital sobre OPA da Cofina. “Oferta não é inoportuna”