transportes

Medway investe 25 milhões em novo terminal em Famalicão

Carlos Vasconcelos é o presidente do conselho de administração da Medway. Fotografia: Medway
Carlos Vasconcelos é o presidente do conselho de administração da Medway. Fotografia: Medway

Empresa de transporte ferroviário de mercadorias está a beneficiar da greve dos estivadores. O “comboio Autoeuropa” pode voltar em 2019.

A Medway prepara-se para uma nova etapa cerca de três anos após a compra da antiga CP Carga. A empresa de transporte ferroviário de mercadorias do grupo MSC está a fechar um novo plano de investimento para o próximo ano. A construção de um novo terminal seco, em Famalicão, e o regresso do “comboio Autoeuropa”, entre Portugal e Alemanha, serão algumas das apostas da Medway para 2019.

Em entrevista ao Dinheiro Vivo, o presidente da empresa, Carlos Vasconcelos, fala ainda sobre as limitações da rede ferroviária nacional e do aumento da procura no transporte de contentores por causa da greve dos estivadores em Lisboa e Setúbal.

“Vamos ter um novo terminal seco no Norte, que implica um investimento de 25 milhões de euros. Este terminal será em Famalicão por causa do potencial que existe nesta zona e a necessidade que o mercado coloca, na questão operacional, para corresponder melhor à procura. Quanto mais perto estivermos da procura mais fácil será o trabalho para os clientes”, anuncia o presidente do conselho de administração da Medway.

As obras deverão “arrancar no início de 2019”, após a aprovação da câmara e da IP – Infraestruturas de Portugal. O novo terminal ficará em Lousado e deverá servir empresas como a Continental/Mabor e a Leica. O espaço também ficará próximo da área industrial de Ribeirão, onde está a fábrica da Salsa.

O projeto terá sido bem recebido pelo município de Famalicão, que deu parecer favorável ao pedido de informação prévio apresentado pela Medway. “Falta agora apresentar o pedido de licenciamento, que terá de vir acompanhado das soluções para a ligação à rede ferroviária nacional”, adiantou ao Dinheiro Vivo fonte oficial da câmara de Famalicão. O novo terminal será uma alternativa ao transporte rodoviário na cidade.

O regresso do “comboio Autoeuropa” será outra das grandes apostas da Medway para o próximo ano. “Constitui um objetivo para 2019 relançar o comboio da Autoeuropa, com ligação ao centro da Alemanha, que permite à fábrica receber as suas peças e outros fornecedores receberem outras peças. Estamos em contactos com potenciais clientes e parceiros para montar este negócio, tendo em conta que existe procura para este serviço.” Com esta ligação à Alemanha, a fábrica de Palmela consegue enviar e receber peças “com menores emissões poluentes e maior economia”.

Esta será a segunda oportunidade para a ligação ferroviária de mercadorias entre Portugal e Alemanha. Em 2012, um acordo entre as empresas de comboios de Portugal, Espanha e Alemanha permitiu esta ligação. Só que o projeto durou pouco mais de um ano “porque França boicotou o projeto, ao criar dificuldades na circulação deste comboio”. Seis anos depois, os obstáculos deverão ser superados, porque existe um centro europeu de coordenação de tráfego ferroviário, “que torna mais difíceis quaisquer limitações impostas pelas redes nacionais”.

Limitações da ferrovia
A greve às horas extraordinárias dos estivadores dos portos de Lisboa e Setúbal tem ajudado a Medway a conquistar novos clientes, com os armadores a reforçarem os contentores transportados em cada comboio. Os ganhos só não são mais expressivos devido ao estado das linhas de comboios em Portugal.

“Temos uma linha férrea degradada, que não corresponde às necessidades do mercado. Com outra via, faríamos muito mais comboios, a custos muito mais baixos para os clientes”, lamenta Carlos Vasconcelos.

O plano Ferrovia 2020, avaliado em mais de dois mil milhões de euros, aposta sobretudo nos corredores sul e norte e pretende melhorar a ligação a Espanha dos comboios de mercadorias. “Dadas as limitações do país e do financiamento europeu, o que está planeado é aquilo que nós gostaríamos de ter”, avalia o gestor. O líder da Medway recorda que “o país abandonou a linha férrea há mais de 40 anos. É evidente que em três anos não se pode recuperar 50 anos de investimento que deveria ter sido feito”.

Mesmo com estas limitações, a ex-CP Carga afirma estar muito próxima do equilíbrio financeiro, depois de o primeiro semestre ter sido positivo. “Temos recuperado a empresa, depois de um caminho muito penoso, com resultados muito negativos. No final do ano, gostaríamos de apresentar lucros. Se não for isso, será muito perto disso.”

Crescimento ibérico
A Medway opera 15 comboios por dia em Portugal, onde conta com uma quota de mercado de 90% – os restantes 10% pertencem à Takargo, do grupo Mota-Engil. Mas a empresa do grupo MSC tem crescido ao longo deste ano no estrangeiro, graças ao arranque dos serviços de transporte de contentores em Espanha.

“Temos um comboio diário entre o porto de Valência e Madrid, onde usamos meios próprios, e ainda um serviço entre Sevilha e Sines, com quatro ligações por semana”, realizadas em parceria com a Renfe Mercancías, unidade de mercadorias da empresa espanhola de comboios.

Só com esta aposta, a Medway conta com uma quota de mercado de 25% na Península Ibérica. E não ficará por aqui. “Estamos a trabalhar em alguns projetos, com parceiros locais, para podermos aumentar o número de serviços.”

Mais meios e manutenção
A frota da Medway conta atualmente com 68 locomotivas, entre as quais algumas unidades a gasóleo, que servem para as linhas que ainda não estão eletrificadas. Só que “são insuficientes para cumprir todos os serviços”, em Portugal e Espanha. A empresa já apresentou uma proposta para reforçar os seus meios e poder responder às necessidades dos clientes.

A transportadora prepara-se também para fazer algumas alterações na manutenção de locomotivas a gasóleo e de vagões, através de uma “unidade própria de reparação”. A Medway está a finalizar a constituição de um ACE – agrupamento complementar de empresas com a EMEF e a CP. Com a criação desta unidade, a empresa de mercadorias terá mais meios para reparar a sua frota e contrariar a falta de mão de obra e de peças que tem fustigado a EMEF nos últimos meses. O acordo deverá ficar fechado até final deste ano “e não exige o visto do Tribunal de Contas”.

A contratação de mais pessoas também faz parte da nova etapa da empresa do grupo MSC, que já conta com mais de 800 funcionários. “Seguramente vamos recrutar mais pessoas no próximo ano”, assegura Carlos Vasconcelos, mesmo depois dos reforços dos últimos dois anos, em que entraram cerca de 90 pessoas.

A Medway aguarda neste momento a autorização do acionista para poder crescer em Portugal e no estrangeiro. Os detalhes do novo plano de investimento da empresa de mercadorias deverão ser conhecidos nos próximos dois meses. Em janeiro de 2019, completam-se três anos desde a assinatura da compra de 95% do capital da ex-CP Carga.

(Notícia corrigida às 14h03: a Medway tem 25% de quota de mercado na Península Ibérica e não em Espanha, como escrito na versão original)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça Pequim e ordena às empresas: “saiam da China”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Medway investe 25 milhões em novo terminal em Famalicão