Uber

Mega fusão: Uber junta-se a rival chinesa

Fotografia: REUTERS/Lucy Nicholson
Fotografia: REUTERS/Lucy Nicholson

A empresa resultante da operação está avaliada em 35 mil milhões de dólares. Uber ficará a deter 20% da nova empresa

A Uber e a rival chinesa Didi Chuxing vão avançar com uma fusão das operações na China, pondo fim à luta intensa pelo mercado da segunda maior economia mundial.

A empresa resultante desta operação estará avaliada em 35 mil milhões de dólares (mais de 31 mil milhões de euros). Segundo a Reuters, que cita fontes ligadas ao processo, a operação estará prestes a ser fechada e o acordo deverá ser anunciado ainda esta semana.

A Uber China, avaliada em 7 mil milhões de dólares, ficará a deter apenas 20% da empresa resultante, sendo o restante detido pela Didi, que vale 28 mil milhões. O negócio põe fim a uma luta que não estava a dar frutos. Ambas as empresas têm vindo a investir milhões de dólares na China para obter maior quota de mercado, nenhuma com sucesso, já que nenhuma delas regista lucros no país.

Travis Kalanick, presidente executivo da Uber, já se manifestou. “Alcançar lucros é a única forma de construir um negócio sustentável, capaz de melhor servir os passageiros chineses, motoristas e as cidades, a longo prazo”, refere numa mensagem deixada nas redes sociais.

Além desta parceria, a Didi irá investir mil milhões de dólares (à volta de 894 milhões de euros) na Uber, que opera a nível mundial.

O negócio avança depois de, no ano passado, a Didi ter investido 100 milhões de dólares na Lyft, a principal rival da Uber nos Estados Unidos, com quem formou também uma parceria, com o intuito de roubar quota de mercado à gigante norte-americana.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EDP_ENGIE2

EDP e Engie vão investir até 50 mil milhões para liderarem eólicas no mar

EDP_ENGIE2

EDP e Engie vão investir até 50 mil milhões para liderarem eólicas no mar

Da esquerda para a direita: Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado das Finanças, Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

OCDE. Dinamismo das exportações nacionais tem o pior registo da década

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Mega fusão: Uber junta-se a rival chinesa