Têxteis técnicos

Mehler pronta para chegar à indústria de Defesa dos EUA

Alberto Tavares, CEO da Mehler, fotografado no stand da empresa na Techtextil, em Frankfurt. Fotografia: DR
Alberto Tavares, CEO da Mehler, fotografado no stand da empresa na Techtextil, em Frankfurt. Fotografia: DR

Expansão da fábrica na Virgínia e criação de um centro de I&D na Alemanha são os projetos em estudo pelo CEO português, Alberto Tavares.

A Mehler, líder mundial de têxteis técnicos para correias de transportes e tecidos especiais e um dos players principais na produção de fios técnicos para a indústria automóvel, farmacêutica e petrolífera, está apostada em crescer no segmento aeroespacial e de Defesa nos EUA. E porque esta é uma área que obriga a uma produção local, em estudo está já a ampliação da fábrica do grupo em Martinsville, na Virgínia. Alberto Tavares, CEO da Mehler, admite que a decisão será tomada até setembro, remetendo, para então, valores de investimento. Garantido é que os escritórios de Charlotte, na Carolina do Norte, serão encerrados em setembro, quando terminar o contrato de aluguer do espaço, e a operação americana será toda concentrada em Martinsville.

A Mehler é a divisão de produtos de engenharia do grupo alemão KAP, sendo o segmento de maior dimensão, assegurando 170 dos 400 milhões faturados pelo grupo o ano passado. A unidade americana dedica-se à produção de fio técnico e o objetivo é estudar a possibilidade de alargar as suas valências para a produção de tecidos técnicos para equipamentos de vigilância aérea, para tendas militares, coletes à prova de fogo ou para as lagartas dos tanques, entre outros exemplos.

“Estamos convencidos do mérito deste investimento, mas temos de o provar e é essa análise detalhada que estamos a fazer”, diz Alberto Tavares. “Fornecendo a partir da Europa nunca poderemos chegar aos grandes projetos aeroespaciais e de defesa porque várias indústrias obrigam a que o material seja produzido localmente.” O mercado norte-americano vale, atualmente, 35 milhões de euros e o objetivo é chegar, no mínimo, aos 50 milhões. A construção, designadamente com o desenvolvimento de materiais resistentes ao fogo, é outra das áreas de aposta.

Questionado sobre as políticas protecionistas de Trump, o responsável da Mehler lembra que essa é uma tendência que “não é exclusiva dos EUA” e que, embora crie dificuldades, gera também oportunidades.

“Uma das grandes vantagens que temos face aos nossos concorrentes é a dispersão geográfica que nos dá maior flexibilidade”, disse, em referência às nove fábricas que gere em seis países de três continentes: Alemanha, Portugal, República Checa, EUA, China e Índia. “Temos o melhor de dois mundos, o know how das equipas locais associada a uma gestão das várias unidades como se fossem uma só com nove linhas de fabrico espalhadas pelo mundo.”

Apostado em reforçar a sua atuação industrial, o grupo KAP anunciou, no ano passado, a fusão das suas operações globais na área dos fios e dos tecidos técnicos para fins industriais sob a chancela da Mehler, liderada por Alberto Tavares. Os responsáveis financeiros e de I&D são também portugueses. Concluída a fusão, os próximos dois anos serão dedicados à estandardização de processos e à otimização operacional, com uma grande aposta na digitalização e na Indústria 4.0.

A unidade de Famalicão, mais avançada nessa área, já que recebeu investimentos de cinco milhões nos últimos três anos, vai servir de modelo ao projeto que vai ser implementado a nível global. Decidido está já o investimento na expansão da unidade de Fulda, na Alemanha, onde irá nascer o novo de investigação e desenvolvimento. “O mundo muda a uma grande velocidade, se não começarmos já a preparar essa mudança, daqui por 20 anos estamos fora do negócio”, acredita Alberto Tavares. O objetivo é afetar 3% a 5% das vendas anuais a I&D, área liderada por Elisabete Silva, que conta com uma equipa de dez pessoas, duas das quais dedicadas “em permanência a olhar para as mega-tendências”.

A mobilidade elétrica é outra das grandes apostas da Mehler, que, em Portugal, tem projetos de investigação nesta área em parceria com a Universidade do Minho e com o CEiiA – Centro de Excelência para a Inovação da Indústria Automóvel.

  • * A jornalista viajou à Techtextil a convite da Mehler
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, Portugal 2

Endividamento das famílias atinge máximo de três anos

(Carlos Santos/Global Imagens)

TDT. Anacom arranca com call center em novembro para teste piloto

Fotografia: Filipe Amorim / Global Imagens

Lucros da Galp afundam 59% nos primeiros nove meses do ano

Outros conteúdos GMG
Mehler pronta para chegar à indústria de Defesa dos EUA