Gestão

Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade

Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens
Euronext Lisboa. Fotografia: Global Imagens

Empresas em bolsa tinham até dia 15 para publicar medidas para levar mais mulheres às chefias. Só quatro cumprem quotas que entram em vigor em 2020.

Apenas 19 das 45 empresas cotadas na Euronext Lisboa, ou 42%, cumpriram as novas regras que obrigam as empresas em bolsa a comunicarem os respetivos planos anuais de medidas a adotar para a promoção da igualdade de género. Foram também menos de metade das listadas do PSI 20 aquelas que deram a conhecer o documento aos investidores até ao final do dia de ontem, primeiro dia útil após o prazo legal de 15 de setembro.

A partir do próximo ano, as empresas portuguesas em bolsa, tal como o sector empresarial do estado, vão ter de garantir que as mulheres representam pelo menos um terço das administrações e restantes órgãos de fiscalização. Em janeiro é esperado que deem andamento a planos para fazer avançar a participação feminina. E o prazo para darem a conhecer esses planos, de acordo com um despacho publicado pelo governo no início do verão, terminou no último domingo.

De acordo com os comunicados publicados até ao final do dia de ontem à Comissão dos Mercados de Valores Mobiliários (CMVM), entre as cotadas que integram o PSI 20, cumpriram a obrigação a Sonae, a Sonae Capital, a REN, a Jerónimo Martins, a Corticeira Amorim, a Mota Engil e a Ibersol. Ou seja, apenas sete das 18 empresas que integram o índice principal da bolsa de Lisboa.

Além destas, Martifer, Sporting, Impresa, Novabase, Vista Alegre, Flexdeal, Teixeira Duarte, NOS, Sonae Indústria, Sonaecom, Lisgráfica e Glintt também apresentaram os respetivos planos.

Nem todos os planos apresentados preveem metas determinadas para chegar a um terço de participação feminina nos conselhos de administração ou apresentam os indicadores atuais nesta matéria. Noutros casos, a meta é adiada. A Jerónimo Martins, por exemplo, só prevê chegar aos 33,3% de representação feminina nos órgãos de administração e de fiscalização em abril de 2022.

Noutros casos, a informação aparece desatualizada. Por exemplo, a operadora NOS apresenta um rácio de 25% de mulheres na administração, mas na composição que respeita ao triénio de 2016 a 2018. No atual corpo de administradores, a proporção cai para 23,5%.

Já a Sonae conta cumprir as quotas e até publica indicadores. Mas os dados mostram grandes disparidades nos rácios de formação e de chefia. Apesar de as mulheres representarem mais de 60% dos funcionários com qualificações de nível superior, a maior parte dos cargos de nível estratégico e de gestão fica com os homens -têm 66,4% destas posições. Elas, por seu turno, prevalecem nas funções operacionais (65,6%).

Nos cálculos do Dinheiro Vivo, com base na informação aos investidores prestadas por cada empresa, apenas quatro das cotadas portuguesas estarão em condições de cumprir hoje em parte a quota que passará a vigorar em 2020. Altri, Corticeira Amorim, Inapa Investimentos e Sonae Capital têm nos seus conselhos de administração um mínimo de 33,3% de membros que são mulheres. Mas, das atuais 45 cotadas, 11 não têm qualquer mulher nestes cargos de gestão.

 

As 45 cotadas da Euronext Lisboa

Número e proporção de mulheres entre administradores

  • Inapa Investimentos – 3 em 7 – 42,9%
  • Altri – 2 em 6 – 33,3%
  • Corticeira Amorim – 2 em 6 – 33,3%
  • Sonae Capital – 3 em 9 – 33,3%
  • Sonae – 3 em 10 – 30%
  • Jerónimo Martins – 3 em 10 – 30%
  • Media Capital – 2 em 7 – 28,6%
  • Impresa – 2 em 7 – 28,6%
  • CTT – 4 em 14 – 28,6%
  • Vista Alegre – 3 em 11 – 27,3%
  • Galp Energia – 5 em 19 – 26,3%
  • Sonaecom – 1 em 4 – 25%
  • BCP – 4 em 16 – 25%
  • Flexdeal – 1 em 4 – 25%
  • Martifer – 2 em 8 – 25%
  • Novabase -– 2 em 8 – 25%
  • Mota Engil – 5 em 21 – 23,8%
  • NOS – 4 em 17 – 23,5%
  • REN – 3 em 13 – 23%
  • Navigator – 3 em 13 – 23%
  • Semapa – 3 em 13 – 23%
  • EDP – 2 em 9 – 22,2%
  • Sonae Indústria – 2 em 9 – 22,2%
  • Glintt – 2 em 9 – 22,2%
  • EDP Renováveis – 3 em 15 – 20%
  • Intelligent Sensing Anywhere (ISA) – 1 em 5 – 20%
  • Pharol – 2 em 10 – 20%
  • Ramada – 1 em 5 – 20%
  • Teixeira Duarte – 1 em 5 – 20%
  • Euronext – 2 em 12 – 16,7%
  • Cofina – 1 em 6 – 16,7%
  • Toyota Caetano – 1 em 7 – 14,3%
  • Nexponor – 1 em 7 – 14,3%
  • Estoril Sol – 1 em 11 – 9%
  • Compta – 0 em 5 – 0%
  • Benfica – 0 em 5 – 0%
  • Futebol Clube do Porto – 0 em 19 – 0%
  • Sporting – 0 em 4 – 0%
  • Ibersol – 0 em 3 – 0%
  • Imobiliária Construtora Grão Pará – 0 em 3 – 0%
  • Inapa – 0 em 7 – 0%
  • Lisgráfica – 0 em 3 – 0%
  • Orey Antunes – 0 em 3 – 0%
  • Patris – 0 em 3 – 0%
  • Reditus – 0 em 4 – 0%

Fonte: informação institucional publicada pelas empresas/cálculos Dinheiro Vivo

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: ANTÓNIO CARRAPATO/LUSA

Maior credor de Portugal:juros baixos são temporários em países com rating fraco

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: ANTÓNIO CARRAPATO/LUSA

Maior credor de Portugal:juros baixos são temporários em países com rating fraco

Abhijit Banerjee, Esther Duflo e Michael Kremer vencem Nobel da Economia

A grande eficácia das pequenas coisas

Outros conteúdos GMG
Menos de metade das cotadas entregaram planos para igualdade