comunicações

Meo lidera queixas no regulador

Fotografia: Diana Quintela / Global Imagens
Fotografia: Diana Quintela / Global Imagens

Queixas junto da Anacom subiram 17% no primeiro semestre deste ano face a 2016

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) recebeu, no primeiro semestre deste ano e em comparação com o período homólogo de 2016, mais 17% de reclamações dos consumidores em relação às empresas de comunicações que supervisiona. No total, nos primeiros seis meses deste ano, 37,3 mil queixas deram entrada junto da entidade reguladora, das quais 30,5 mil relativas a comunicações eletrónicas.
Em comunicado enviado às redações, a Anacom adiantou que os operadores “campeões” das queixas são a Meo (38,5%), a Nos (36,2%), a Vodafone (19,6%) e a Nowo (4,2%). Esta última empresa (antiga Cabovisão) foi, ainda, a que registou a maior taxa de reclamações média por clientes (6,1 por mil), seguindo-se a Nos (3 por mil) e a Meo (1,9 por mil) e a Vodafone (1,4 por mil). “A Nos foi o único prestador que viu a sua taxa de reclamações diminuir face ao semestre homólogo”, destaca.

Quanto aos motivos das queixas, a “venda do serviço” motivou 14,8% das reclamações e o “cancelamento do serviço” originou 13,8% dos protestos formais. Segue-se a “alteração das condições contratuais pelo operador” (7,3%), que foi também o motivo com maior subida nas reclamações (58,5%) no semestre. Dentro destes motivos, os serviços em pacotes geraram 28,4% das reclamações, seguindo-se os serviços de comunicações móveis, com 24,9%.

Os serviços postais não foram exceção no aumento de queixas. Os CTT foram o prestador com mais reclamações (92%), seguidos dos CTT Expresso (4,5%), num total de 5435 queixas. A maioria das reclamações (45%) refere-se a problemas de distribuição de envios, seguindo-se o atendimento (22,6%), o “extravio/atraso significativo” (14,6%) e a “falta de tentativa de entrega ao destinatário” (12%).

Segundo a Anacom, as reclamações que mais aumentaram face ao ano passado foram relativas a serviços digitais, como a subscrição de serviços ou conteúdos pela Internet, que subiram de 386 para 1129 queixas no primeiro semestre. Também em relação à TDT, a Anacom recebeu mais 57 reclamações do que no período homólogo do ano passado, num total de 201 queixas (0,5%). v

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Meo lidera queixas no regulador