Retalho Alimentar

Mercadona abre em julho primeira loja no norte do país. Está a contratar

Foto: DR
Foto: DR

A Mercadona vai abrir 90 vagas para a plataforma logística de Póvoa do Varzim. Neste momento, a cadeia já tem 300 colaboradores em Portugal

A primeira loja da Mercadona em Portugal vai abrir em julho. A cadeia de retalho alimentar está a contratar para as lojas e vai abrir 90 postos de trabalho para a plataforma logística de Póvoa de Varzim.

“A primeira loja Mercadona vai abrir em julho. Durante todo o segundo semestre vão abrir as 10 lojas previstas para 2019 nos distritos de Braga, Porto e Aveiro”, adianta Elena Aldana, head of european affairs da Mercadona, ao Dinheiro Vivo à margem do congresso InRetail, a decorrer esta quinta-feira no Centro de Congresso do Lagoas Park.

A responsável não precisou qual a primeira loja da cadeia a abrir no mercado nacional, mas refere que será uma das quatro primeiras localizações conhecidas: Vila Nova de Gaia, Matosinhos, Maia e Gondomar. Nos 10 espaços que prevê abrir em 2019, a cadeia vai investir na ordem dos 100 milhões de euros.

A Mercadona tem planos para continuar a expandir a sua rede em Portugal. “Estamos a estudar todo o país. A nossa ideia é expandir por Portugal como uma mancha, por questões de logística não faz sentido abrir lojas muito distantes em termos geográficos”, refere Elena Aldana. Distritos de Braga, Viana do Castelo, Coimbra são opções em aberto. “Lisboa está nos planos do futuro, mas não temos data definida”, diz.

Atualmente, na Mercadona Portugal já trabalham 300 pessoas, mas no próximo ano esse valor será na ordem dos 650 colaboradores. “Continuamos a recrutar para as nossas lojas em Braga, Porto e Aveiro. Queremos contratar trabalhadores que vivam na região, numa aposta no emprego local”, reforça a head of european affairs.

Mas não só para as lojas. “Vamos lançar oferta de 90 vagas para a plataforma logística de Póvoa de Varzim”, adianta Elena Aldana.

A cadeia continua a trabalhar no centro de co-inovação em Matosinhos no cabaz de produtos que vão estar disponíveis nas lojas para os consumidores nacionais. “Até março/abril temos o cabaz definido”, refere. Mas da análise feita ao ‘chefe’ português (nome que a cadeia dá aos clientes) já saíram definições ao nível dos vinhos e queijos.

“A esmagadora maioria da gama de vinhos será português”, assegura Elena Aldana. Quatro vinhos já foram selecionados, tinto e branco da região do Douro e Dão, mas também vinho verde do Minho, adianta. “Já estamos a comprar queijo dos Açores”, diz ainda. Produtos que vão fazer parte da oferta portuguesa, mas que já estão a ser testados nas lojas da Mercadona junto à fronteira portuguesa.

Pão, pastéis de nata, pão de ló, pão de deus, pão cristal, fruta como Kiwi ou frutos vermelhos, bacalhau (para as lojas da Galiza), bolachas Dankake, café Delta, Pintarolas são alguns dos produtos que a Mercadona compra a produtores nacionais para abastecer as lojas em Espanha. Este ano a cadeia estima comprar 70 milhões de euros em produtos, uma subida face aos 63 milhões do ano passado e os 56 milhões em 2016.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

Lisboa, 16/07/2019 - Decorreu hoje parte de uma reportagem sobre, empregos criados pelas empresas de partilha de veículos em Portugal..
Acompanhamos a recolha, carregamento e reparação das trotinetes partilhadas da Circ.

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Partilha de veículos dá emprego a mais de 500 pessoas

António Mexia, CEO da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Saída de clientes da EDP já supera as entradas

Outros conteúdos GMG
Mercadona abre em julho primeira loja no norte do país. Está a contratar