Automóvel

Mercedes com dificuldades em contratar programadores em Portugal

Fotografia: EPA/EUGENE GARCIA
Fotografia: EPA/EUGENE GARCIA

Até agora, mais de 30 programadores estão a colaborar com a marca alemã.

A Mercedes está com dificuldades em contratar programadores para o seu centro digital (Mercedes-Benz.io) em território português. A situação foi admitida esta segunda-feira por Niels Kowollik, CEO e Administrador Executivo da Mercedes Portugal. O recrutamento de programadores estrangeiros tem sido a estratégia utilizada para superar este obstáculo.

“O mercado de programadores muito bons é muito difícil também em Portugal. Não há tanta mão-de- obra qualificada disponível quanto gostaríamos. Estamos mesmo a recrutar no estrangeiro”, assumiu Niels Kowollik em conferência de imprensa realizada em Lisboa.

A marca alemã inaugurou em maio o centro tecnológico Digital Delivery Hub em território português, agora designado como Mercedez-Benz.io. Na altura, anunciou que iria contratar mais de 100 programadores em 2017. Esse recrutamento foi adiado para 2018 devido a estas dificuldades.

Provisoriamente instalado no Second Home, o centro tecnológico da Mercedes em Portugal fornece soluções tecnológicas para todo o mundo, à exceção da China e dos EUA. Até agora, mais de 30 programadores estão a colaborar com a marca alemã. Se este for bem-sucedido, poderá dar emprego a mais de 300 pessoas e estender-se a outras áreas, como os veículos pesados.

A criação de aplicações ligadas aos automóveis da marca alemã e o desenvolvimento de tecnologias para a condução autónoma são dois dos exemplos das tarefas que estão a ser realizadas a partir de Lisboa. A aplicação que permitir chamar um automóvel poderá ser criada a partir da capital portuguesa.

A Mercedes foi a quarta marca que vendeu mais automóveis em 2017 em Portugal. Foram comercializadas 16 273 unidades, um crescimento de 6,3% face a 2016.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Mercedes com dificuldades em contratar programadores em Portugal