Tecnologia

Messenger pode voltar a ser integrado no Facebook

mess

Rede social diz que está a estudar formas de melhorar a experiência de mensagem. Messenger está separado da 'app' do Facebook desde 2011.

O Facebook Messenger pode voltar à casa de partida. A rede social norte-americana está a estudar o regresso do serviço de mensagens à aplicação Facebook, tal como acontecia antes de 2011. A informação foi adiantada na sexta-feira pelo portal The Verge, citando dados divulgados no Twitter pela investigadora de aplicações Jane Manchum Wong.

A investigadora mostra como o Facebook está a testar uma funcionalidade em que um utilizador, ao carregar no botão do Messenger, aparece o conjunto de conversas dentro da aplicação da rede social. Atualmente, para consultar as mensagens, os utilizadores do Facebook têm de instalar uma aplicação separada – esta app existe em paralelo com o WhatsApp, o outro serviço de mensagens detido pela companhia liderada por Mark Zuckerberg.

A mesma especialista assinala também que quando integrado na aplicação do Facebook, o serviço de mensagens só tem algumas ferramentas. Ou seja, se quiser fazer chamadas, enviar fotografias e reagir a mensagens, continuará a ser preciso recorrer a uma aplicação separada. Esta solução poderá levar o Messenger a ter um público diferente da aplicação original do Facebook.

“Estamos a testar formas de melhorar a experiência de mensagens dentro da aplicação do Facebook”, admitiu um porta-voz da rede social norte-americana ao portal The Verge. Mas a mesma fonte destaca que “o Messenger continua a ser uma aplicação de mensagens rica e à parte com mais de mil milhões de utilizadores por mês para ligar as pessoas e os negócios que mais importam. Nada mais temos a acrescentar neste momento”.

Leia mais: Facebook. Dar a palavra a quem sabe para mostrar 15 anos de engenharia

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
Messenger pode voltar a ser integrado no Facebook