transportes

Mestres da Soflusa mantém greve após reunião com administração

Soflusa
(Jorge Amaral / Global Imagens)

A administração da empresa de transporte fluvial Transtejo/Soflusa propôs hoje aos sindicatos um aumento de 26 euros para todos os trabalhadores, mas o sindicato que representa os mestres mantém a greve ao trabalho extraordinário.

A proposta foi apresentada esta tarde durante uma reunião entre a administração da Transtejo/Soflusa e os sindicatos representativos dos trabalhadores.

Numa resposta escrita enviada à agência Lusa, fonte da administração da Transtejo/Soflusa referiu que a empresa apresentou uma proposta de valorização salarial para todos os trabalhadores (26 euros), a pagar já a partir de agosto, e a integração do prémio de chefia dos mestres (49 euros) na remuneração base.

No entanto, esta proposta não foi suficiente para convencer o Sindicato dos Transportes Fluviais, Costeiros e da Marinha Mercante (STFCMM), que representam os mestres das embarcações, e desmobilizá-los da greve a todo o trabalho extraordinário, que está em curso desde o dia 06 de julho na empresa Soflusa, responsável pela ligação fluvial entre o Barreiro e Lisboa.

“Os mestres continuam sem receber o aumento do prémio acordado em maio (mais 60 euros) e a greve ao trabalho extraordinário mantém-se. A integração vai ser feita, mas não nos moldes que tinham sido negociados”, disse à agência Lusa Carlos Costa, do STFCMM.

Na Soflusa, os mestres recusaram o trabalho extraordinário desde o dia 18 de junho, até ao dia 06 de julho, data em que entrou em vigor uma greve ao trabalho extraordinário, exigindo que seja respeitado o acordo, celebrado em 31 de maio, para aumentar o prémio de chefia, que dizem ter sido, entretanto, “suspenso”.

A decisão de aumentar o prémio dos mestres, em cerca de 60 euros, levou a que sindicatos de outras categorias profissionais na empresa também avançassem com plenários e pré-avisos de greve, alegando que esta subida causaria uma “desarmonia salarial”.

No dia 17 de junho, na véspera de uma greve marcada pelo Sindicato da Mestrança e Marinhagem da Marinha Mercante, Energia e Fogueiros de Terra (SITEMAQ), foi anunciado que esta seria suspensa na sequência da subscrição de um protocolo negocial entre a administração da empresa e os sindicatos, com o STFCMM a ser o único que não assinou.

Esta greve tem originado a supressão de várias carreiras e afetado milhares de passageiros que todos os dias realizam a travessia entre as duas margens do Tejo.

No início da semana os mestres realizaram uma greve de três dias na Soflusa, que paralisou as ligações fluviais.

Por outro lado, o Sindicato da Mestrança e Marinhagem da Marinha Mercante, Energia e Fogueiros de Terra (SITEMAQ) e a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), que representam todos os trabalhadores consideraram a proposta da empresa “um bom ponto de partida negocial”

“A empresa veio ao encontro da valorização dos trabalhadores e fez uma proposta de aumento de 26 euros para todos”, apontou José Manuel de Oliveira, da Fectrans.

No mesmo sentido, Alexandre Delgado, do SITEMAQ, considerou que a proposta “embora não sendo a melhor é a mais justa”, uma vez que contempla um aumento salarial “para todos”.

“A situação só chegou a este ponto graças à falta de diálogo e ganância dos 17 mestres da Soflusa”, acusou o sindicalista.

Os sindicatos e administração da Transtejo/Soflusa voltam a reunir-se no próximo dia 22.

A reunião para discutir a situação da Transtejo está agendada para as 10:00 e da Soflusa para as 14:30.

A Transtejo assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão a Lisboa enquanto a Soflusa garante a travessia entre o Barreiro e o Terreiro do Paço (Lisboa).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Mestres da Soflusa mantém greve após reunião com administração